Importação de leite em pó é descartada - eDairy News

Importação de leite em pó é descartada

 

Empresas afirmam que pretendem usar o leite produzido no Estado. O item em pó só será importado em caso de seca
Se a situação climática ajudar, afastando o te­mor de secas severas, as indústrias de leite de Pernambuco não vão importar leite em pó para produção do longa vida e do pasteurizado. Essa possibilidade, facilitada pela instrução normativa do Ministério da Agricultura, estava tirando o sono da bacia leiteira do Agreste, região que concentra 90% da produção do Estado. Para os laticínios, a medida só é benéfica quando há escassez do produto no mercado interno e, por consequência, quando o seu preço está inflacionado. Atualmente, os municípios da região chegam a produzir 1,8 milhão de leite por dia. No ápice da seca, em 2012, o setor produtivo lutava para entregar 500 mil litros por dia às indústrias locais.

Diretor administrativo da Bom Leite – em São Bento do Una-, Júnior Galvão explicou que “para importar o leite em pó, os industriais precisam comunicar na embalagem que aquele leite é proveniente do leite em pó. Você acha que o consumidor vai deixar de comprar o produto que vem direto da vaca? Não. Se fizermos isso, perderemos para a concorrência”, destacou. Mais do que isso, explicou Galvão. “Hoje, o quilo de leite em pó custa R$ 19, enquanto que o litro de leite varia entre R$ 1,40 e R$ 1,50. Não compensa. Se o Ministério revogar, não vai fazer a mínima diferença”, frisou.

Atualmente, a Bom Leite produz 85 mil litros de leite por dia, sendo 100% oriundo dos produtores do Agreste. Já o em pó, usado para fabricação de derivados, vem do Sul do País. “Noventa por cento da nossa produção de fluído é para atender o Estado”, ressaltou Galvão. Segundo ele, atualmente, o maior impasse deve-se aos recentes reajustes das matérias-primas. “Inevitavelmente, tivemos que repassar para o consumidor. Em janeiro deste ano, pagávamos R$ 1,02 pelo litro de leite. Este mês, a mesma quantidade chegou a custar R$ 1,50. O produto em pó seguiu o mesmo ritmo, saindo de R$ 11,50 (o quilo) para R$ 19”, avaliou. Nesse período, os produtos registraram variação média de 25%.

De acordo com o diretor da Betânia – localizada em Pedra, no Agreste -, Bruno Girão, a alternativa dada pelo Ministério é uma espécie de seguro. “O Nordeste ainda vive os efeitos da estiagem. Essa normativa é necessária para quando faltar produto local e as indústrias não tiverem a quem recorrer. Elas precisam sobreviver e não podem entregar o mercado de bandeja”, afirmou, acrescentando que, a princípio, a fábrica não pretende comprar o leite de fora. “Agora, se a seca voltar, teremos alternativa”, afirmou Girão. A medida é válida pelo período de um ano.

Em resposta, o Ministério comunicou que a instrução foi reeditada porque “a entressafra do leite e a seca na região da Sudene diminuíram a produção leiteira, resultando numa queda de oferta da matéria-prima”. O presidente do Sindileite-PE, Albérico Bezerra, disse que, por enquanto, não enxerga ameaça. “O problema é se a seca voltar”, alertou.

http://www.folhape.com.br/economia/2016/8/importacao-de-leite-em-po-e-descartada-0188.html

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top