Resumo de agendas econômicas globais – eDairyNews Últimas notícias
Brasil |15 junio, 2018

Indústria | Resumo de agendas econômicas globais

Agendas econômicas globais – Acompanhe um resumo das agendas econômicas globais desta quinta-feira (14). O destaque fica para os pedidos iniciais de seguro desemprego dos Estados Unidos.

Acompanhe um resumo das agendas econômicas globais desta quinta-feira (14). O destaque fica para os pedidos iniciais de seguro desemprego dos Estados Unidos.

ÁSIA

Na China, A produção industrial de valor agregado na China subiu 6,8% em maio ante o ano anterior, desacelerando a taxa de crescimento de 7,0% em abril, de acordo com os dados do Escritório Nacional de Estatísticas da quinta-feira. O aumento de maio superou uma previsão de 7% em média. O investimento em novos mercados em relação à China aumentou 6,1% no período de janeiro a maio em relação ao ano anterior. O crescimento do indicador foi de cerca de 7%, mais lento que o aumento de 7% registrado no período de janeiro a abril. As vendas no varejo na China subiram 8,5% em maio ante o ano anterior, desacelerando em relação ao aumento de 9,4% em abril, que foi inferior à dos economistas de crescimento de 9,6%.

EUROPA

Na Alemanha, os preços ao consumidor ficaram em 2,2% para cima em maio de 2018 se comparado com o mesmo mês do ano passado. A taxa de inflação, medida pelo índice de preços ao consumidor, cresceu acentuadamente nos meses anteriores. A inflação de 2,2% foi registrada em fevereiro de 2017. Comparado com abril de 2018, o índice de preços ao consumidor aumentou 0,5% em maio de 2018. O Escritório Estatístico Federal (Destatis) confirma seus resultados globais provisórios de 30 de maio de 2018. O aumento na taxa de inflação em maio de 2018 aconteceu com os preços de energia. . O aumento ano-a-ano nos preços de energia (+ 5,1%) foi significativamente maior do que no mês anterior (abril de 2018: + 1,3%).

Na França, em maio de 2018, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) acelerou para alta de 0,4% em um mês, depois da desaceleração em abril (+ 0,2%). Esse aumento maior veio dos preços de energia (+ 2,0% após + 0,9%), alimentos (+ 0,9% após + 0,1%) e “produtos manufaturados” (+ 0,3% após + 0,1%). Os preços dos serviços aumentaram no mesmo ritmo que no mês anterior (+ 0,1%) e os do tabaco diminuíram 0,6% após uma estabilidade em abril. Com ajuste sazonal, os preços ao consumidor aceleraram: + 0,3%, após + 0,1% em abril. Ano a ano, os preços ao consumidor subiram 2,0%, 0,4 ponto percentual a mais que no mês anterior. Os dados são do Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos.

No Reino Unido, em maio de 2018, a quantidade comprada no setor de varejo aumentou 1,3% em comparação a abril de 2018, com crescimento em todos os principais setores. O feedback dos varejistas sugeriu que um período sustentado de bom clima e as celebrações do casamento real incentivaram os gastos em lojas de alimentos e utensílios domésticos em maio. A quantidade comprada registrou um aumento acentuado em relação ao ano anterior em maio, de 3,9% em comparação a abril, de 1,4%; possivelmente devido a uma combinação de clima quente e um lento crescimento ano a ano em maio de 2017 em 0,8%. O varejo não-lojas apresentou forte crescimento na quantidade comprada quando comparado com o ano anterior em 16,2%. Os dados são do Governo Britânico.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, as vendas no varejo subiram mais que o esperado em maio, uma vez que os consumidores compraram veículos e uma série de outros bens, mesmo pagando mais pela gasolina, a mais recente indicação de uma aceleração no crescimento econômico no segundo trimestre. O Departamento de Comércio informou nesta quinta-feira que as vendas no varejo saltaram 0,8% no mês passado, o maior avanço desde novembro de 2017. Os dados de abril foram revisados para cima, mostrando aumento de 0,4% em vez do ganho anterior de 0,2%. As vendas no varejo em maio aumentaram 5,9% em relação a um ano atrás. Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação, as vendas no varejo aumentaram 0,5% no mês passado, após um aumento de 0,6% revisado para cima em abril. Essas chamadas vendas de varejo principais correspondem mais de perto ao componente de gasto do consumidor do produto interno bruto. Eles foram relatados anteriormente para ter subido 0,5% em abril.

Nos Estados Unidos, na semana que terminou em 09 de junho, os pedidos iniciais de seguro desemprego ajustados ficaram em 218 mil, uma redução de 4 mil em relação ao nível não revisado de 222 mil da semana anterior. A média móvel de quatro semanas foi de 224.250, queda de 1.250 em relação à média não revisada da semana anterior de 225.500. A taxa de desemprego ajustada foi de 1,2% para a semana encerrada em 02 de junho, inalterada em relação à taxa não revisada da semana anterior. O número antecipado para o pedido ajustado sazonalmente durante a semana que terminou em 02 de junho foi de 1.697 milhão, queda de 49 mil em relação ao nível revisado da semana anterior. Os benefícios foram estendidos nas Ilhas Virgens durante a semana que terminou em 26 de maio.

Nos Estados Unidos, os preços das importações aumentaram 0,6% pelo segundo mês consecutivo em maio, informou hoje o Departamento do Comércio. O aumento nos preços de combustíveis e não-combustíveis contribuiu para os avanços nos dois meses. Os preços de exportação dos EUA subiram 0,6% pelo segundo mês consecutivo em maio.

Nos Estados Unidos, o Censo anunciou as seguintes novas estatísticas de manufatura e comércio para abril de 2018:

O valor combinado das vendas do comércio distribuído e dos embarques dos fabricantes em abril, ajustados para as diferenças sazonais e dos dias úteis, mas não para variações de preço, foi estimado em US $ 1.425,9 bilhões, alta de 0,4% (± 0,1%) a partir de março de 2018 e subiu 6,7% (± 1,1%) a partir de abril de 2017.

Os estoques de manufaturados e comerciais, ajustados pelas variações sazonais, mas não por variações de preço, foram estimados em US $ 1.930,0 bilhões no final do mês, alta de 0,3% (± 0,1%) em relação a março de 2018 e alta de 4,4%, ± 1,3%) a partir de abril de 2017.

A relação total de estoques / vendas das empresas com base em dados dessazonalizados no final de abril foi de 1,35% ante alta de 1,38 no mesmo período de 2017.

Importações

Todas as importações: Os preços de importação aumentaram 0,6% em maio, continuando a tendência de alta que começou em agosto de 2017. O avanço de maio seguiu um aumento de 0,6% no mês anterior. O índice de preços para as importações totais aumentou 4,3% no ano encerrado em maio, o maior avanço de 12 meses desde que o índice subiu 4,7% em fevereiro de 2017. O avanço de maio sobre o ano foi, em grande, parte impulsionado pelos preços mais elevados dos combustíveis, embora os preços não relacionados a combustíveis também tenham aumentado ao longo do ano passado.

Exportações

Todas as Exportações: Os preços das exportações dos Estados Unidos aumentaram 0,6% pelo segundo mês consecutivo em maio, liderados pelos preços mais altos das exportações agrícolas e não agrícolas. Os preços de exportação não registraram declínio mensal desde que o índice caiu 0,1% em junho de 2017. O índice de preços das exportações totais avançou 4,9% entre maio de 2017 e maio de 2018, o maior aumento de 12 meses desde que o índice subiu 6,3% em outubro de 2011.

BRASIL

No Brasil, em abril, pela primeira vez no ano, o setor de serviços cresceu frente ao mês anterior, avançando 1,0% em relação a março (série com ajuste sazonal). Em comparação a abril de 2017 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços cresceu 2,2%, a taxa mais alta desde março de 2015 (2,3%). Com isso, o acumulado do ano ficou em -0,6% e o dos 12 meses, em -1,4%, a taxa negativa menos intensa desde agosto de 2015 (-1,2%). Os dados são do IBGE.

No Brasil, o abate de bovinos teve aumento de 4,4%, o de suínos teve alta de 2,3% e o de frangos teve queda de 1,2% no 1º trimestre de 2018 frente ao 1º trimestre de 2017. Na comparação entre o 1º tri de 2018 e o 4º trimestre de 2017, o abate de bovinos caiu 4,2%, e o de suínos 3,1%, enquanto que o de frangos cresceu 3,5%, chegando a 1,48 bilhão de cabeças. A aquisição de leite atingiu 6,0 bilhões de litros, primeiro aumento, entre os primeiros trimestres, depois de três anos de quedas consecutivas. Os dados são do IBGE.

Houve alta de 2,4% em relação ao 1º tri de 2017 e redução de 8,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior. A aquisição de peças de couro cresceu 2,7% frente ao 1º tri de 2017 e recuou 2,0% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Já a produção de ovos subiu 7,1% comparado ao 1º tri de 2017, totalizando 846,75 milhões de dúzias, e recuou 1,3% em relação ao trimestre anterior.

No 1º trimestre de 2018, foram abatidas 7,72 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária. Essa quantidade foi 4,2% menor que a registrada no trimestre imediatamente anterior e 4,4% maior que a do 1° trimestre de 2017. A queda em relação ao último trimestre do ano anterior se deve ao aumento do consumo de carne nas festividades de fim de ano.

Suínos

No 1º trimestre de 2018, foram abatidas 10,72 milhões de cabeças de suínos, representando queda de 3,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior e aumento de 2,3% na comparação com o mesmo período de 2017. Este é o melhor resultado para primeiros trimestres desde que a Pesquisa se iniciou em 1997.

O abate de 236,44 mil cabeças de suínos a mais no 1º trimestre de 2018, em relação a igual período do ano anterior, foi impulsionado por aumentos no abate em 14 das 25 Unidades da Federação participantes da pesquisa.

Frangos

No 1º trimestre de 2018, foram abatidas 1,48 bilhão de cabeças de frangos. Esse resultado significou aumento de 3,5% em relação ao trimestre imediatamente anterior e queda de 1,2% na comparação com o mesmo período de 2017.

O abate de 18,05 milhões de cabeças de frangos a menos no 1º trimestre de 2018, em relação a igual período do ano anterior, foi determinado por reduções no abate em 13 das 24 Unidades da Federação que participaram da pesquisa.

Leite

No 1º trimestre de 2018, a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (Federal, Estadual ou Municipal) foi de 6,0 bilhões de litros, primeiro aumento depois de três anos de quedas consecutivas entre os primeiros trimestres. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, o volume foi 8,3% menor, mas 2,4% maior que o alcançado no mesmo período em 2017. O 1º trimestre é tipicamente caracterizado por uma queda sazonal da produção de leite, logo após o pico no último trimestre do ano.

Ovos

A produção de ovos de galinha foi de 846,75 milhões de dúzias no 1º trimestre de 2018. Esse número foi 1,3% menor que o registrado no trimestre imediatamente anterior e 7,1% superior ao apurado no 1º trimestre de 2017.

/www.ultimoinstante.com.br/ultimas-noticias/noticias-destaque/indicadores-resumo-de-agendas-economicas-globais-45/242023/

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas