8 dicas para escolher a forrageira certa e formar boas pastagens - eDairy News

8 dicas para escolher a forrageira certa e formar boas pastagens

A formação de boas pastagens exige cuidados. Para gerar melhores resultados na pecuária, tanto para a produção de leite quanto de carne, a escolha de uma boa forrageira é fundamental. Porém, essa decisão ainda deixa muitos produtores com dúvidas. Segundo os pesquisadores Domingos Paciullo e Carlos Augusto de Miranda Gomide, da Embrapa Gado de Leite, a escolha da planta forrageira deve ser feita com base nas características da espécie e da propriedade, principalmente aspectos do solo e do clima. O produtor também deve considerar para qual atividade a forrageira será utilizada. Confira dicas para escolher a variedade mais indicada para a fazenda.

1 – Como escolher a forrageira?

O produtor deve considerar as características da espécie forrageira, da fazenda e da atividade, como cria, recria, engorda ou silagem. “O produtor deve observar características como potencial produtivo, persistência, capacidade de rebrotação após corte ou pastejo e valor nutritivo”, diz Paciullo. Algumas espécies são mais produtivas e mais exigentes em termos de manejo, pois se adequam bem aos sistemas mais intensivos de produção. Outras são mais rústicas, pois vão relativamente bem nos sistemas mais extensivos, manejados em solos mais pobres e de topografia montanhosa.

2 – O clima e as forrageiras

As diferenças climáticas são significantes nos biomas brasileiros, por isso é necessário observar questões como temperatura, volume de chuva e o tempo de exposição solar na região. “As condições climáticas interferem diretamente no desempenho das diferentes forrageiras e na produtividade das pastagens”, diz Gomide.

As gramíneas forrageiras de clima tropical se adaptam melhor em regiões mais quentes e com boa disponibilidade de luz, como as regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste. Segundo Gomide, neste caso, são cultivadas principalmente espécies do gênero Brachiaria (Brachiaria brizantha, Brachiaria decumbens e Brachiaria humidicola). “O cultivo dos capins do gênero Panicum está aumentando, principalmente em sistemas mais intensivos. O capim-elefante é de uso mais restrito de propriedades leiteiras e tem sido explorado como capineira”, diz Gomide.

Embora essas forrageiras sejam recomendadas para a região Nordeste, condições de baixa quantidade de chuvas e altas temperaturas em algumas regiões podem prejudicar o desenvolvimento dessas gramíneas. Neste caso, o produtor deve preferir espécies adaptadas ao cenário de pouca umidade, como Cenchrus ciliares (capim-buffel) e palma forrageira. “Outra opção é o uso da irrigação em sistemas intensificados e bem manejados”, diz Gomide.

Na região Sul do Brasil, são usadas desde forrageiras perenes de verão, como as do gênero Pennisetum e Brachiaria, até aquelas adaptadas aos invernos mais rigorosos, com baixas temperaturas, como cultivares de azevém, aveia e leguminosas, como o trevo.

3 – Características do solo

Antes do plantio é necessário observar o solo e clima da região onde a pastagem será implantada. Características como temperatura, precipitação, luminosidade e resistência do solo às pragas e doenças são importantes para obter melhores resultados. Para adequar as características de fertilidade do solo é recomendável fazer correção com calcário e adubar com fertilizantes, que devem atender exigências da espécie forrageira escolhida. “É importante atentar para o fato que não se pode modificar a topografia da área, o que exige neste caso que seja escolhida uma forrageira que tenha boa cobertura de solo e razoável tolerância à baixa fertilidade do solo, situação normalmente verificada em terrenos declivosos”, diz Paciullo.

4 – As forrageiras mais populares

As principais espécies usadas para formação de pastagens no Brasil são as forrageiras dos gêneros Brachiaria, Panicum, Cynodon e Pennisetum. As braquiárias predominam em quase todas as regiões, principalmente os capins marandu (braquiarão) e a braquiária decumbens, por oferecer boa produtividade e valor nutritivo, facilidade de plantio e de manejo, alta flexibilidade de uso, alta produção de sementes e boa produção animal.

Cultivares lançadas recentemente estão conquistando pecuaristas, como as cultivares Xaraés e Piatã. Entre as cultivares de Panicum maximum, as principais são Tanzânia e Mombaça, além da cultivar Massai. “Essas cultivares apresentam alta produção de forragem, principalmente as duas primeiras, e resistência às cigarrinhas das pastagens, principal praga de gramíneas forrageiras”, diz Paciullo.

Recentemente a Embrapa lançou no mercado a cultivar BRS Zuri que possui também alta produção de forragem e passa a ser outra opção forrageira para a pecuária leiteira. Entre as gramíneas do gênero Cynodon, destacam-se a grama-estrela e o Tifton 85. Essas são gramíneas de elevado valor nutritivo, embora tenham a limitação de propagação por mudas.

O gênero Pennisetum, conhecido como capim-elefante, apresenta muitas cultivares, com destaque para Napier, Cameroon, Pioneiro e Kurumi. “O capim-elefante é bastante usado para formação de capineiras, para uso na forma de verde picado ou silagem. São as gramíneas de maior potencial produtivo e nutricional, embora tenham limitações para propagação, por ser vegetativa, e são suscetíveis às cigarrinhas das pastagens”, diz Paciullo. Para as regiões com invernos mais frios, como as do Sul do país, são usadas as forrageiras como azevém e aveia.

5 – Qual é o custo-benefício?

Segundo Gomide, é difícil dizer que existam cultivares de forrageiras com melhor custo-benefício do que outras. “O mais importante é observar todas as condições adequadas para a escolha da forrageira, efetuar de maneira correta o plantio, para garantir um bom estabelecimento da pastagem, e se preocupar em realizar o manejo adequado durante a fase de utilização da pastagem”, afirma. “Mas podemos dizer que as cultivares de Brachiaria, especialmente a cultivar Marandu, são mais flexíveis em termos de manejo. Não é por acaso que forrageiras do gênero Brachiaria ocupam aproximadamente 80% das áreas de pastagens do País.”

6 – Manejo da pastagem

O manejo é muito importante e exerce grande influência no valor nutricional das gramíneas. “Com o avanço da idade, a planta acumula matéria seca, o que é bom em termos produtivos, mas normalmente há prejuízos nutricionais com queda do teor de proteína, aumento do teor de fibra e redução da digestibilidade da forragem”, diz Gomide. Esta perda de valor nutricional ocorre pelo “envelhecimento” da planta e devido ao acúmulo de colmos (hastes) que são mais fibrosos e de folhas mortas. Estes materiais são evitados pelos animais em pastejo e acabam representando perdas de forragem e contribuindo para reduzir a eficiência de uso da forragem.

Para conseguir uma produção de forragem com bom valor nutritivo, a pesquisa busca definir as recomendações de manejo mais adequadas para cada espécie ou mesmo cultivar. “Atualmente as orientações de manejo têm se baseado em alturas do pasto a serem observadas, ou para a entrada e saída dos animais do piquete, no manejo rotacionado, ou para a altura do pasto a ser mantida sob lotação contínua. A dica é que, uma vez definida a forrageira a ser plantada e o nível de intensificação que se deseja, o produtor procure informações ou orientações de manejo”, diz Paciullo.

7 – A melhor forrageira para cada atividade

As gramíneas do gênero Brachiaria são as mais utilizadas em sistemas de produção de leite e de carne no País. As forrageiras Marandu e decumbens são utilizadas em praticamente todas as fases dos sistemas. “Desde que bem manejadas, são boa opção para as fases de recria e engorda”, diz Gomide.

Porém, para sistemas intensificados de produção de leite, com pastejo rotacionado, as forrageiras Tanzânia e Mombaça são as mais indicadas para vacas em lactação. São forrageiras que apresentam alta produção de forragem, suportando entre 4 e 8 vacas por hectare, dependendo do nível de adubação e suplementação volumosa e concentrada. A cultivar Tifton 85 apresenta alta produção de forragem e excelente valor nutritivo, sendo indicada para o produtor que deseja intensificar a produção leiteira. Cultivares de Cynodon, como a própria Tifton 85, além de outras, como a cultivar estrela, são adequadas também para sistemas de recria de novilhas leiteiras.

Se o produtor quer intensificar a produção de leite a pasto, a dica é escolher forrageiras de maior potencial produtivo e bom valor nutritivo. Nesse caso, as melhores opções são as do gênero Cynodon, Panicum, Pennisetum (capim-elefante), além das cultivares de Brachiaria brizantha. “Neste caso, podem ser escolhidas também as cultivares Tifton 85, Pioneiro, BRS Kurumi, Mombaça, BRS Zuri, Marandu e Piatã”, afirma Gomide.

8 – Nutrição de bovinos

A adubação também é fundamental para repor nutrientes no solo, garantir boa produtividade e qualidade da pastagem. “Doses de fertilizantes, tipos de adubos e momento de aplicação dependerão da espécie, nível de intensificação do sistema e outras características”, diz Paciullo. O produtor deve procurar orientação técnica sobre o manejo da pastagem e, assim, aumentar as chances de sucesso do negócio.

9 – Silagem

Para produção de silagem, a forrageira ideal e mais utilizada é o milho. O sorgo também pode ser usado, pois apresenta características semelhantes ao milho, com a vantagem de ser mais tolerante às condições de pouca umidade do solo. Está se popularizando também o uso de capins para a produção de silagem. “A silagem de capim tem a vantagem de apresentar menor custo de produção do que a silagem de milho. Contudo, os capins apresentam, normalmente, teores de matéria seca, à época do corte, menores do que aquele exigido para uma boa fermentação no interior do silo”, diz Paciullo. O capim-elefante é o mais usado atualmente com este propósito. Mas capins Tanzânia, Mombaça, Marandu e Ruziziensis também podem ser utilizados para a produção de silagem.

8 dicas para escolher a forrageira certa e formar boas pastagens

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top