Brasil deve subir no ranking mundial de produção de #leite em 2014

Brasil deve subir no ranking mundial de produção de #leite em 2014

 
As Perspectivas da Cadeia Produtiva do Leite no Brasil e no Mundo foram discutidas durante o Fórum de Debates, realizado nesta terça-feira na Megaleite 2014. Lideranças do setor discorreram sobre o tema e concluíram que a cadeia leiteira avançou muito nos últimos anos, mas ainda será preciso novos avanços para o país se tornar um grande exportador de leite. O país saiu de uma produção de 7,3 bilhões de litros de leite na década de 70 para atuais 35 bilhões de litros. A expectativa é de que o país assuma este ano a terceira colocação em produção mundial de leite.

Os debatedores do Fórum de Debates foram o deputado federal Junji Abe (presidente da Subcomissão do Leite da Câmara dos Deputados), que presidiu a Mesa de Debates, Cenyldes Moura Vieira (presidente da Calu), Vicente Nogueira (presidente da Comissão de Leite da Organização das Cooperativas do Brasil – OCB), Rodrigo Sant’Anna Alvin (presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados do MAPA), Paulo do Carmo Martins (Chefe Geral da Embrapa Gado de Leite), Ronan Salgueiro (diretor da Girolando), Marcel Scalon Cerchi (empresário dos Laticínios Scala).

De acordo com o deputado Junji Abe, a falta de uma gestão pública mais racional dificulta o crescimento do país, prejudicando o agronegócio. Vicente Nogueira disse que a OCB coordena junto à agência de exportação do governo federal, Apex-Brasil, um plano para aumentar as vendas externas do leite brasileiro. Este ano, o país enviou ao exterior 50 milhões de litros de leite a mais que importou, conseguindo superávit na balança comercial, situação bem diferente dos anos anteriores.

– Nos últimos 12 anos, a nossa produção cresceu um volume equivalente a toda produção da Argentina, mostrando o atual vigor do setor. Muitos temiam que a Copa do Mundo reduzisse o consumo interno, mas o efeito foi contrário – destacou Nogueira, que cobrou maior agilidade dos setores de pesquisa para avançar a seleção genômica: “os EUA já fazem o genoma do embrião, o que permite a redução considerável do tempo de seleção dos touros geneticamente superiores. Nas raças leiteiras brasileiras, esse processo demora cerca de sete anos”, afirma Nogueira.

Marcel Scalon Cerchi destacou a importância de toda a cadeia produtiva do leite atuar em conjunto para reivindicar seus direitos.

РA prodṳ̣o de leite tem crescido e a qualidade tamb̩m, mas se quisermos ser um grande exportador precisamos acelerar esse processo de crescimento Рdiz Cerchi.

Já o chefe geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo do Carmo Martins, disse que será preciso mais investimento em pesquisa para dar suporte ao setor, como, por exemplo, a transgenia relacionada às pastagens.

– Enquanto a inflação cresceu 358% nesses 20 anos de Plano Real, o preço do leite teve elevação de 256%, ou seja, o produto ficou mais barato, permitindo que o consumo interno fosse beneficiado – esclarece Martins. Segundo ele, apenas 50 municípios no Brasil não produzem leite.

O presidente da Calu, Cenyldes Moura Vieira, também ressaltou o crescimento do setor, mesmo em um período de seca prolongada em muitas regiões. A Calu prepara sua expansão com a abertura de mais um laticínio, o que permitirá triplicar a produção diária, que hoje é de 160 mil litros de leite. Vieira cobrou a desoneração tributária para as cooperativas e mudanças na legislação para que as cooperativas possam concorrer em igualdade com as empresas privadas.

Rodrigo Alvim, do Ministério da Agricultura, lembrou que o setor cresceu 14,2% entre janeiro/maio de 2014 comparado ao mesmo período do ano anterior.

– Precisamos acreditar mais em nós mesmos como produtores de leite. Os EUA fala em qualidade do leite desde 1903 e até hoje tem a contagem de célula somática acima da média do Brasil – disse Alvim.

http://www.monitormercantil.com.br/index.php?pagina=Noticias&Noticia=155592&Categoria=CONJUNTURA

 

 

 

 

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top