Cepea/USP: preço ao produtor aumenta 1% em abril

Cepea/USP: preço ao produtor aumenta 1% em abril

O preço médio pago aos produtores em abril (referente í  produção entregue em março) subiu apenas 1,1% (quase 1 centavo por litro), indo para R$ 0,8676/litro – esse valor representa a média ponderada pelos estados de RS, PR, SC, SP, MG, GO e BA. Com relação ao mesmo perí­odo do ano passado, a média apresentou aumento de 4% em termos reais, ou seja, descontando-se a inflação do perí­odo.

De acordo com a pesquisa mensal realizada pelo Cepea a respeito das expectativas de compradores de leite sobre o comportamento dos preços no míªs seguinte, 64% dos entrevistados (que representam 86% do volume de leite da amostra) acreditam em estabilidade dos preços a serem pagos ao produtor em maio. Para 30% dos representantes de laticí­nios (que respondem por 11% da amostra), deve haver alta de preços e 6% dos agentes consultados (responsáveis por 3% do volume amostrado) acreditam em redução.

Nesta época do ano, é esperado que a oferta de leite siga diminuindo com a redução das pastagens. Neste ano, a produção de leite em importantes estados tem apresentado diminuição desde janeiro. O Cepea registrou uma redução acentuada no í­ndice de captação (o ICAP-Leite/Cepea) de 6% entre fevereiro e março, porém o valor ficou em patamar 1,5% acima do observado em março/11.

Entretanto, indústrias e cooperativas consultadas pelo Cepea continuam relatando que a demanda desaquecida por produtos lácteos e as elevadas importações, especialmente de queijos e leites em pó, estão prejudicando o mercado. Apenas no primeiro trimestre deste ano, o volume importado em equivalente leite representou 7% da produção formal divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica (IBGE) para o mesmo perí­odo de 2011 – o cálculo teve como base também dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

No segmento de leite UHT, cotado diariamente no mercado atacadista do estado de São Paulo, o preço médio em abril (até o dia 26) apresenta leve aumento de 1% frente ao míªs anterior, indo para R$ 1,77/litro (o valor inclui frete e impostos). Já o queijo muçarela se manteve no mesmo patamar de março, a R$ 10,29/kg. A pesquisa é feita com o apoio financeiro da OCB/CBCL.

Dentre os estados que compõem a média “nacional”, Goiás foi o que apresentou a maior alta de preços do leite ao produtor em abril, de 2,7% (ou 2,4 centavos por litro) frente a março. A média foi para R$ 0,9122/litro, o maior valor observado entre os estados da pesquisa. Em Minas Gerais, o aumento foi de 2,2% (1,9 centavos por litro), com a média indo para R$ 0,8828/litro em abril. Em São Paulo, o preço médio pago aos produtores foi de R$ 0,8874/litro, aumento de 1,5% (1,3 centavos por litro) frente a março. Na Bahia, houve incremento de 1,7% (1,4 centavos por litro), com média de R$ 0,7760/litro.

No Sul do Paí­s, os preços permaneceram praticamente estáveis entre março e abril. Houve leve aumento de 0,9% (0,7 centavo por litro) no Rio Grande do Sul, com a média a R$ 0,8502/litro. No Paraná, o valor médio aumentou 0,4%, indo para R$ 0,8338/litro e, em Santa Catarina, houve leve alta de 0,2%, com média de R$ 0,8218/litro.

No Rio de Janeiro, a média de preços foi de R$ 0,8854/litro, o que representou aumento de 3,1% (2,7 centavos por litro) frente a março. Em Mato Grosso do Sul, a média foi de R$ 0,7340/litro, com reajuste de apenas 0,5%.

Gráfico 1: Série de preços médios pagos ao produtor – deflacionada pelo IPCA (média de RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA)

Fonte: Cepea-Esalq/USP

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top