Clínica do Leite lança Mapa da Qualidade do Leite Produzido no Sudeste do Brasil - eDairy News

Clínica do Leite lança Mapa da Qualidade do Leite Produzido no Sudeste do Brasil

A fim de fornecer informações estratégicas para indústrias, governos, sindicatos, cooperativas ou qualquer outro elo da cadeia produtiva do leite, a Clínica do Leite, programa do Departamento de Zootecnia da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ), vai lançar na próxima terça-feira, dia 30/08, durante reunião da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília (DF), o Mapa da Qualidade do Leite Produzido no Sudeste do Brasil, uma publicação que tem como objetivo contribuir com a construção de políticas públicas assertivas e o aprimoramento de programas de melhoramento da qualidade do leite. “Este trabalho de diagnóstico de qualidade do leite é um dos componentes básicos para que possamos cumprir a nossa missão, que é ajudar a pecuária de leite a melhorar a produtividade e a qualidade do leite, através de conceitos de gestão pela qualidade total. Sem dados e informação não é possível identificar os problemas e agir para corrigí-los”, aponta Paulo Fernando Machado, professor do Departamento de Zootecnia da ESALQ e coordenador da Clínica.

“O setor sempre demandou informações precisas sobre a situação atual da qualidade do leite e sua evolução nos últimos anos. Trabalhamos de forma intensa nos últimos 15 anos para que pudéssemos ter um banco de dados sólidos, e a partir dele, gerar informações úteis para toda a cadeia”, aponta Laerte Dagher Cassoli, gerente técnico e pesquisador da Clínica do Leite. Hoje a Clínica do Leite analisa aproximadamente 30% do leite cru produzido no Brasil, e compõe a Rede Brasileira de Qualidade do Leite (RBQL) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), sendo também acreditado pelo INMETRO na ISO 17.025.

Em 2016 serão lançadas 4 edições. A primeira publicação trata da Contagem de Células Somáticas (CCS), que é o indicador de sanidade da glândula mamária e da incidência de mastite nos rebanhos. Nas três edições seguintes serão apresentadas informações sobre a composição do leite, contagem bacteriana e resíduos de antibióticos. “Cada uma das quatro edições será revisada e publicada anualmente, incorporando-se as informações do último ano. Além disso, o Mapa da Qualidade tem uma licença Creative Commons, que flexibiliza o uso da informação que está sendo disponibilizada, ou seja, permite que essas informações possam ser usadas de forma livre para que ela permeie por toda a cadeia ”, explica Henrique Zaparoli Marques, pesquisador da Clínica do Leite.

O projeto Mapa da Qualidade conta com o apoio da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), da Viva Lácteos (maior associação da indústria de lácteos) e do MAPA. “O apoio destas instituições reforça a importância de um projeto como este para toda a cadeia”, reforça Laerte.

Os dados utilizados para elaboração deste diagnóstico, são provenientes de indústrias processadoras de leite, que coletam amostras de seus fornecedores, tanto para atendimento da IN-62, como para avaliação da qualidade do leite para programas de pagamento por qualidade. Em 2015 foram 446 indústrias. “Essas amostras são do leite cru, matéria prima que o produtor vende para a indústria e não do produto final que vai para o consumidor”, explica Laerte. Estas indústrias estão localizadas em importantes regiões produtoras de leite do Brasil. A maior parte (46%) está localizada no estado de Minas Gerais, 42% no estado de São Paulo e, o restante, nos estados de Goiás, Paraná, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Ceará e Bahia. Grande parte destas indústrias estão ligadas ao Serviço de Inspeção Federal (SIF), seguido da inspeção pelo Serviço de Inspeção Estadual (SIE) e, a menor parte delas, respondem ao Serviço de Inspeção Municipal (SIM). O aumento do número de indústrias atendidas ao longo dos dez anos, refletiu diretamente no número de produtores monitorados. Em 2006 eram 17.275 produtores e, em 2015 chegou a 44.703.

Conclusão da 1a. Edição (CCS e mastite) – Considerando os 44 mil produtores monitorados no ano de 2015, a média aritmética e geométrica foram de 595 mil células somáticas/mL e 400 mil céls/mL, respectivamente. Isso indica que os rebanhos médios apresentam uma prevalência de cerca de 50%, ou seja, de cada duas vacas ordenhadas, uma está com mastite. Além disso, estes rebanhos estão perdendo em média 6% de sua produção de leite, além de eventuais perdas relacionadas à remuneração pela qualidade. A partir dos resultados de CCS apresentados fica evidente que a mastite é um problema e que traz sérios prejuízos a produtores e indústrias.

O Mapa da Qualidade estará disponível a partir de 05/09/2016, em formato digital, pelo site da Clínica do Leite. Outras informações pelo telefone (19) 3422.3631 ou acesse: www.clinicadoleite.com.br.

http://www4.esalq.usp.br/banco-de-noticias/cl%C3%ADnica-do-leite-lan%C3%A7a-mapa-da-qualidade-do-leite-produzido-no-sudeste-do-brasil

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top