Com 11 anos de atuação, CPLA aposta no potencial do pequeno produtor

Com 11 anos de atuação, CPLA aposta no potencial do pequeno produtor

As polí­ticas de desenvolvimento para agricultura familiar tem sido o foco de vários programas sociais governamentais em todo Brasil, isso não acontece por acaso.

Sem uma agricultura forte e estruturada qualquer paí­s do mundo passaria por problemas graví­ssimos, que vão da fome ao desemprego. Objetivando eliminar alguns desses desafios, a Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas (CPLA), tem apostado no potencial administrativo e organizacional dos pequenos produtores alagoanos e realizado enumeras capacitações.

Essa semana, que marca o aniversário de 11 anos da cooperativa, a diretoria executiva da CPLA realizou um levantamento que mostrou que nos últimos 12 meses
foram criadas aproximadamente 15 associações de produtores de leite, com o total apoio jurí­dico e organizacional dos técnicos da cooperativa. Uma ação de fomento a cadeia produtiva e principalmente a promoção do associativismo.

A preocupação da cooperativa vai além da criação de grupos de produtores. O diretor-presidente da CPLA, Aldemar Monteiro, contou que todos os produtores envolvidos no processo passam por um treinamento no qual é abordado desde a importí¢ncia do associativismo, até palestras técnicas como a qualidade do leite e manejo de ordenha.

“Conseguimos organizar somente no municí­pio de Traipu, que tem um enorme potencial produtivo, sete associações de pequenos produtores. Em Olho D’ígua Grande e Batalha foram mais cinco associações. A maioria delas já está fornecendo leite para cooperativa, ou seja, inclusas no Programa do Leite, que tem uma polí­tica de valorização do agricultor coletando o alimento nas comunidades e garantindo preço justo”, revelou Aldemar Monteiro.

A CPLA é hoje no Nordeste o exemplo concreto de que produtores e empresários podem trabalhar juntos. Formada por quase 200 pequenos produtores e 16 laticí­nios a cooperativa administra a coleta e a distribuição de boa parte do leite Programa Social do Leite em Alagoas, do Governo Federal. Atualmente, o programa trabalha com a distribuição de 80 mil litros de leite por dia, beneficiando o mesmo número de pessoas na cidade e no campo.

Neste míªs de abril, os associados só tem o que comemorar. A diretoria da unidade anunciou que já estão em treinamento os técnicos que executarão a metodologia do Programa Balde Cheio com 80 agricultores familiares ligados í  cooperativa. Serão beneficiados grupos dos municí­pios de Ouro Branco, Jacaré dos Homens, Mar Vermelho e Traipu. O Balde Cheio oferece aos pequenos agricultores orientações, dentro das propriedades sobre administração de recursos financeiros, insumos, investimentos, manejo entre outros com a finalidade de tornar a propriedade e a atividade leiteira produtiva.

“Esses anos a frente da cooperativa fez com que eu visse de perto a importí¢ncia de um trabalho alinhado e planejado para o fomento da cadeia produtiva. A cooperativa conta com o apoio do Governo Estadual, do Sebrae/AL, do Senai/AL, e de inúmeros parceiros para conseguir essa transformação. Continuaremos lutando pela recuperação da cadeia produtiva do leite em Alagoas, essa que já foi uma das maiores do paí­s e tem potencial para isso”, enfatizou Monteiro.

http://primeiraedicao.com.br/noticia/2012/04/05/com-11-anos-de-atuacao-cpla-aposta-no-potencial-do-pequeno-produtor

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top