Com 662 mil cabeças, Três Lagoas está entre as 20 cidades com maior rebanho bovino - eDairy News

Com 662 mil cabeças, Três Lagoas está entre as 20 cidades com maior rebanho bovino

Dado é do IBGE que aponta ainda, o MS representado no ranking por cinco municípios
Segundo Pesquisa Pecuária Municipal (PPM) 2016, divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Três Lagoas está entre as 20 cidades do país, com maior produção de rebanho bovino. Com pouco mais que 662 mil cabeças de gado, o município figura ainda, entre as cinco cidades que representam o Estado de Mato Grosso do Sul no ranking nacional que, por sua vez, ocupa quinto lugar. A informação foi comemorada pelo Sindicato Rural três-lagoense, que aponta leve retomada do setor, após 12 anos de queda.

Pelo levantamento, Três Lagoas detém 671.249 animais de grande porte, sendo 662.000 bovinos, 74 bubalinos e 9.175 equinos. “Tivemos uma redução nos últimos 12 anos, de um milhão de cabeças, para menos de 600 mil. Estamos vendo um crescimento lento, quase estagnado, sem o aumento de área de produção. Mesmo assim, percebe-se uma retomada do rebanho em área menor, isso devido às novas tecnologias, melhores pastagens, novas espécies de forrageiras, além da taxa de desfrute precoce dos animais que, até há 20 anos eram abatidos aos quatro anos, caindo para três nos últimos anos e, atualmente, com dois anos já estão aptos”, disse o presidente do Sindicato Rural de Três Lagoas, Marco Garcia de Souza.

Os números apontam ainda que, dentro do MS, Três Lagoas está na 5ª posição, atrás das cidades de Corumbá (1º lugar), com 1.820.000 animais; Ribas do Rio Pardo (2º), com 1.148.050; Aquidauana (3º), com 784.000 e; Porto Murtinho (4º), com 698.000.

Juntas, as cinco cidades representaram em 2016, 21,91% de todo o rebanho de bovino de Mato Grosso do Sul, que totalizou 21.800.990 cabeças. “A retomada é lenta. O primeiro passo foi interromper a queda. Ainda não acredito que Três Lagoas volte a ter um milhão de cabeças de gado, em menos de 10 anos. Mas, vemos a notícia com bons olhos e que haja uma estabilização no setor”, finalizou o presidente da entidade.

Mato Grosso do Sul se manteve como o quarto em número de bovinos no país, atrás de Mato Grosso, com 30.296.096.

Em 2016, o efetivo de bovinos no país era de 218,23 milhões de cabeças, com alta de 1,4% em relação a 2015. O Centro-Oeste continuou a liderar, com 34,4% do total nacional e crescimento de 3,3% em relação a 2015. Mato Grosso tinha o maior rebanho bovino, com 30,30 milhões de cabeças de gado (ou 13,9% do total brasileiro) e alta de 3,2% em relação a 2015. Entre os municípios, os líderes em gado bovino foram São Félix do Xingu (PA), Corumbá (MS) e Ribas do Rio Pardo (MS). Já o número de vacas ordenhadas recuou 6,8% chegando a 19,67 milhões, ou 9,0% do total de bovinos do país. A produção brasileira de leite em 2016 foi de 33,62 bilhões de litros, com retração de 2,9% em relação a 2015. Minas Gerais continua sendo o maior produtor, com 8,97 bilhões de litros ou 26,7% da produção nacional. Mas entre os municípios a liderança era de Castro, no Paraná, que alcançou 255,00 milhões de litros. A comparação entre os dados da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) e da Pesquisa Trimestral do Leite mostra 31% do leite produzido no país não passaram por inspeção sanitária.

https://www.jpnews.com.br/esportes/com-662-mil-cabecas-tres-lagoas-esta-entre-as-20-cidades-com-maior/102575/

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top