Diferente de intolerância à lactose, alergia ao #leite pode ser passageira

Diferente de intolerância à lactose, alergia ao #leite pode ser passageira

 

 

“A orientação médica foi a de cortar o leite completamente. Não posso consumir nada, meu nível de alergia é bem alto. Melhorei bastante, desde então não fiquei mais doente e não tive mais infecção”, relata Carla Brito. A alergia ocorre quando os anticorpos identificam a proteína do leite como um corpo estranho, o que desencadeia uma série de reações alérgicas por todo o corpo, explica Serly Francine Mergulhão Casella, médica da Unidade Básica de Saúde (UBS) 317 de Samambaia, no Distrito Federal.

É muito comum que as pessoas confundam a alergia ao leite com a intolerância à lactose, devido aos sintomas ou simplesmente pelo fato de ambas as patologias terem o leite como agente causador. Mas, enquanto a alergia é causada, porque o sistema imunológico do corpo identifica algumas proteínas do leite como agente agressor; a intolerância a lactose é causada, porque o corpo não produz – ou produz em poucas quantidades – a enzima lactase, que é responsável por digerir as proteínas do leite. Em baixos níveis, a lactase favorece o acúmulo de lactose no intestino, atraindo água e sofrendo fermentação pelas bactérias.

A alergia ao leite geralmente se manifesta quando a pessoa ainda é criança. Mas casos como o de Carla não são improváveis, apenas mais raros.

Juliana Marchiori Praça Valente é pediatra e têm dois filhos pequenos, um de três meses e uma de 1 ano e 8 meses. Os dois sofrem com a alergia ao leite, o que a fez se especializar em gastro-pediatria. Ela mesma teve alergia ao leite quando era criança. “A predisposição à alergia ao leite é hereditária. Tive alergia quando era criança. Minha predisposição passou para eles”, comenta.

Juliana explica que sua alergia acabou quando deixou de ser criança. “A grande maioria ganha tolerância ao leite depois que cresce. Como se o sistema imunológico aprendesse a tolerar aquela proteína”, explica a pediatra. Ela conta que pesquisas recentes identificam que de 5% a 8% dos bebes têm alergia ao leite e 0,5% a 1% dos adultos desenvolvem essa alergia.

Existem inúmeros sintomas que podem indicar a alergia ao leite. Desde sintomas respiratórios, como ataques de asma, até infecções no ouvido, sangue ou muco nas fezes, diarreia e refluxo. “A primeira coisa é falar com um médico. Caso o pediatra não tenha experiência com alergias, então se deve procurar um alergista ou um gastro-pediatra”, sugere Juliana Marchiori.

O acompanhamento de um especialista é fundamental porque algumas alergias são mais perigosas e podem reagir com o simples cheiro do leite, como quando é fervido ou até mesmo no contato com cremes ou cosméticos que contenham a proteína. “A alergia tem diferentes graus de sensibilidade. E é o especialista que irá dizer o que precisa de cuidado e o que não precisa em cada caso”, argumenta a pediatra.

Carla, que desenvolveu a alergia depois de adulta, relata a dificuldade em alterar o cardápio e mudar os hábitos. “Consumia muito leite e muito queijo. No começo passava fome. Quase tudo tem leite e não sabemos, por isso evitava comer. Perdi muitos quilos. Também não costumo mais comer na rua porque quem serve às vezes não sabe informar se o alimento contém leite”, narra Carla.

É importante lembrar que o leite materno não gera alergia nos bebês. A alergia é devido ao leite consumido pelas mães que amamentam. Portanto, ao constatar alergia na criança, a mãe deve suspender todo o leite e seus derivados da alimentação e não oferecer complemento de leite ao bebê. “Em alguns casos é preciso substituir o leite materno pelo complemento de leite, mas isso pode desencadear a alergia na criança”, explica Juliana.

http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-27–25-20140804

 

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top