Elevação dos preços do leite no atacado sinaliza repasse mais expressivo ao produtor – eDairyNews Últimas notícias
Brasil |29 junio, 2018

Leite | Elevação dos preços do leite no atacado sinaliza repasse mais expressivo ao produtor

Elevação dos preços – Historicamente, a produção brasileira de leite apresenta seus menores volumes entre abril e junho, enquanto o preço do leite pago ao produtor atinge seu pico entre junho e agosto.

 

Historicamente, a produção brasileira de leite apresenta seus menores volumes entre abril e junho, enquanto o preço do leite pago ao produtor atinge seu pico entre junho e agosto.

Responsive image

Historicamente, a produção brasileira de leite apresenta seus menores volumes entre abril e junho, enquanto o preço do leite pago ao produtor atinge seu pico entre junho e agosto. Entretanto, a magnitude do aumento de preços é muito variável a cada ano. Em 2015, o aumento do preço nominal do leite pago ao produtor de janeiro até o pico foi de 17%. No ano seguinte, esse aumento atingiu expressivos 59%. Já no último ano, o preço do leite subiu apenas 7%. Em 2018, de janeiro a maio, o preço do leite valorizou 26%, sendo essa elevação mais expressiva nos dois últimos meses. Esses aumentos refletiram principalmente os repasses de preço do leite no atacado e no varejo. No atacado, após aumento de 26,5% entre janeiro e abril, o preço do leite UHT ficou praticamente estável em maio, na média nacional. Entretanto, o cenário mudou completamente na primeira quinzena de junho. A greve dos caminhoneiros afetou a produção primária, paralisou as atividades da indústria e consumiu os estoques dos laticínios e dos varejistas. Esses fatores, somado a menor oferta de leite típica do período de entressafra, resultou na valorização do preço do leite UHT no atacado em São Paulo de 29,4% em apenas 15 dias, saltando de R$2,43 no fechamento de maio para R$3,15 no dia 15 de junho, segundo levantamento do CEPEA.
 
A expectativa agora é saber a magnitude do aumento que será repassado ao produtor. Entretanto, tal repasse servirá apenas para amenizar a situação dos pecuaristas que vem convivendo com preços reais do leite em patamares historicamente baixos e custo de produção elevado desde o final de 2017, agravada com as perdas oriundas da greve. Nos últimos 12 meses, o custo de produção, medido pelo ICPLeite/Embrapa, aumentou 11% devido, principalmente, ao incremento dos preços dos concentrados em resposta à expressiva valorização do milho e do farelo de soja no período. No entanto, é importante observar que o comportamento dos preços desses insumos nos primeiros meses de 2018 está diferente do comportamento histórico para o período, com uma consistente valorização em plena safra de grãos. Essa situação é resultado de um conjunto de fatores: quebra da safra argentina de grãos, a redução da safra brasileira de milho e a forte valorização do dólar frente ao real, além de reflexos da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Assim, mesmo que a relação de troca tenha melhorado para o produtor nos últimos dois meses, em função da maior valorização do preço do leite em relação aos preços do milho e do farelo de soja, esse indicador encontra-se desfavorável ao produtor de leite. A relação de troca em maio, de 41,4 litros de leite para aquisição de 60 kg de ração, comparada ao mesmo mês de anos anteriores, é melhor apenas que 2016, quando ocorreu uma explosão nos preços dos grãos em função da quebra da safra brasileira naquele ano.
 
Figura 1. Preços reais do leite ao produtor – média nacional de 2015 a 2018 – deflacionados pelo ICPLeite em R$/litro. Fonte: CEPEA / Embrapa Gado de Leite
 
Um fator adicional que pode contribuir para sustentar as cotações do leite pago ao produtor brasileiro é a desvalorização do real frente ao dólar associado a manutenção dos preços internacionais do leite em pó integral na faixa de US$ 3.200,00 por tonelada, reduzindo a competitividade do produto importado sobre o leite brasileiro. Assim, as importações de leite e derivados no acumulado de janeiro a maio foram 35% menores em relação ao mesmo período de 2017, em volume e valores.
 
Nesse cenário é esperado que haja um aumento mais consistente no preço do leite pago ao produtor em junho. Entretanto, a magnitude e a duração desse aumento dependerão da recuperação da oferta de leite ao fim da entressafra, dos impactos residuais da citada greve dos caminhoneiros na produção, da reação do consumo de lácteos e da capacidade de absorção desses aumentos de preços pelo consumidor.
http://www.guialat.com.br/?p=detalhar_noticia&id=3014
Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas