Embrapa Rondí´nia recebe certificado de área livre para brucelose e tuberculose

# Embrapa Rondí´nia recebe certificado de área livre para brucelose e tuberculose

A Embrapa Rondí´nia (Porto Velho-RO) recebeu do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) o certificado de área livre para brucelose e tuberculose do Campo Experimental em Porto Velho. Este é o terceiro ano consecutivo que a área recebe o registro e a Empresa continua sendo a única em Rondí´nia a possuir a certificação.
O processo segue um rigoroso padrão instituí­do pelo Ministério em 2001, através Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT), que também introduziu a vacinação obrigatória contra a brucelose bovina e bubalina em todo o território nacional. “í‰ fundamental termos nosso rebanho certificado sanitariamente dentro dos padrões exigidos pelo Mapa, com isso, também incentivamos os produtores do estado a fazerem o mesmo”, explica Fábio Barbieri, pesquisador da Embrapa Rondí´nia, que complementa dizendo que está sendo concluí­do o processo de certificação do Campo Experimental de Presidente Médici, que há dois anos possui o certificado.

Além do cuidado com suas áreas, a Embrapa Rondí´nia, através do Projeto Tecleite, está estimulando a adesão de outras propriedades ao PNCEBT, contribuindo para o processo de erradicação da brucelose e da tuberculose no estado. De acordo com Barbieri, nos próximos meses, uma das Unidades de Referíªncia Tecnológicas para bovinocultura leiteira (URTLeite) do Projeto irá iniciar o processo de certificação, podendo ser mais uma área certificada em Rondí´nia.

Projetos como este, que incorporam o controle da brucelose e da tuberculose e difundem tecnologias, estimulam a entrada no mercado de produtos de origem animal com qualidade e baixo risco sanitário para os consumidores. Portanto, ter uma propriedade livre de brucelose e de tuberculose também é garantia de que todos os produtos oriundos do rebanho estão livres das doenças, trata-se de uma preocupação com a seguridade dos alimentos que saem do campo e chegam í  mesa dos cidadãos.

A Certificação

Os testes de diagnóstico de brucelose são realizados exclusivamente em fíªmeas com idade maior ou igual a 24 meses, e que foram vacinadas entre tríªs e oito meses; e também em machos e fíªmeas não vacinados a partir de oito meses de idade. Já os testes de diagnóstico para tuberculose devem ser realizados em todos os animais com idade igual ou superior a seis semanas.

Os procedimentos de certificação de propriedades livres de brucelose e de tuberculose obedecem aos princí­pios técnicos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), aceitos internacionalmente. O saneamento das propriedades que aderem í  certificação de área livre é feito testando todos os animais e sacrificando os que acusarem resultados positivos para as duas doenças. Os testes são realizados em todo o rebanho até se obter tríªs resultados sem animais reagentes positivos, no perí­odo mí­nimo de nove meses.

Terminado o perí­odo de testes a propriedade recebe o certificado de livre de brucelose e tuberculose e deve fazer a manutenção, cumprindo todas as regras e as normas sanitárias estabelecidas. Os testes devem ser repetidos anualmente em todos os animais e devem ser, realizados por médico veterinário habilitado, ou seja, aprovado em curso de treinamento reconhecido pelo Mapa.

A matéria é do Mapa

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top