Estado de São Paulo elabora plano para ampliar a produção de leite

Estado de São Paulo elabora plano para ampliar a produção de leite

Capital paulista recebeu encontro de integrantes do grupo gestor do Plano de Desenvolvimento da Bovinocultura Leiteira

O grupo gestor do “Mais Leite, Mais Renda – Plano de Desenvolvimento da Bovinocultura Leiteira Paulista” tem a meta de dobrar a captação do produto no Estado nos próximos dez anos. O projeto foi implementado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento em 2016 e pretende alcançar o objetivo por meio da adoção de boas práticas de produção.

Para isso, os integrantes da ação se reuniram na última semana, na capital paulista, para difundir o trabalho e iniciar a próxima fase, de elaboração dos projetos regionais. Vale destacar que o encontro foi presidido pelo secretário responsável pela pasta, Francisco Jardim.

“Nós convidamos os diretores de Escritórios de Desenvolvimento Regional que já estão estruturando os projetos locais para conhecer melhor o ‘Mais Leite, Mais Renda’. Convidamos os integrantes do grupo gestor para ajudar a elaborar os projetos na prática”, ressalta Carlos Pagani Neto, um dos idealizadores do plano.

Já o professor Neimar Nagano, da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), destaca a capacidade de trabalhar como um dos pontos fortes da iniciativa. “Foi a primeira vez que as entidades se sentaram para conversar sobre um objetivo comum”, diz. Antes de integrar o plano da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento, o docente desenvolvia outro projeto na universidade voltado à pequena propriedade produtiva sustentável. Atualmente, essas ações são desenvolvidas no âmbito do “Mais Leite, Mais Renda”.

Ranking

O Estado de Minas Gerais continua, em números absolutos, como o maior produtor de leite do Brasil, seguido por Paraná e Rio Grande do Sul. Em 2016, foram quase 9 bilhões de litros, respondendo por 26,7% da produção nacional. São Paulo está em quarto no ranking, apresentando produção estável de 2016 para 2017.

De acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA), o território paulista apresentou uma pequena oscilação negativa de 0,03%, com volume de 1,581 bilhão de litros no ano passado. É importante lembrar que o volume representa pouco mais de 20% do total consumido no Estado. Isso demonstra o potencial de crescimento do mercado, desde que seja oferecido um produto de qualidade e a baixo custo, a partir de cadeias produtivas eficientes.

Francisco Jardim lembrou que a pasta Estadual atua em diversas frentes para atingir o objetivo com maior rapidez. Algumas medidas adotadas foram as atualizações nas leis que regulamentam a agroindústria de pequeno porte e a integração de ações entre o Governo do Estado e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

“Nossa maior arma é a informação. Estamos dialogando com todos os elos da cadeia e ouvindo sugestões para construir projetos que sejam adequados à realidade de cada região e de cada produtor. Estamos criando um ambiente favorável para que toda a cadeia venha a ganhar”, enfatiza o secretário.

O grupo gestor do programa “Mais Leite, Mais Renda” é formado por representantes das coordenadorias que compõem a pasta: Defesa Agropecuária (CDA), Assistência Técnica Integral (Cati), Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro) e da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), além da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). A iniciativa também conta com participação de produtores rurais e integrantes das entidades ligadas ao setor.

Estado de São Paulo elabora plano para ampliar a produção de leite

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top