Como a qualidade da água pode garantir a qualidade do leite? - eDairy News

Como a qualidade da água pode garantir a qualidade do leite?

Inicio Foros Tecnología Industrial Como a qualidade da água pode garantir a qualidade do leite?

Etiquetado: , ,

Este debate contiene 0 respuestas, tiene 1 mensaje y lo actualizó  lecheria hace 1 año, 10 meses.

Viendo 1 publicación (de un total de 1)
  • #49963

    Jefe de claves

    O controle da cloração deve ser realizado diariamente nos pontos de consumo. Na sala de ordenha recomendamos de 3 a 5 mg/L, o que garantirá que mesmo a água que permanecer no ambiente após a limpeza ainda tenha ação bactericida por um tempo.

    Obviamente quando falamos de qualidade do leite essa não se refere apenas a questão microbiológica – embora a CBT (Contagem Bacteriana Total) e a CCS (Contagem de Células Somáticas) tenham significativo impacto no quesito qualidade e certamente sejam mais evidentes. Há que se considerar ainda fatores como teor de gordura e proteína – que afetam diretamente a operação no laticínio. Em outros textos vamos avaliar estudos que comprovam como a qualidade da água pode afetar estes aspectos também.

    Entretanto, por hora, vamos focar na questão microbiológica. Visto que já abordamos nos textos anteriores a importância de uma água de qualidade microbiológica segura, a questão agora é como alcançar essa segurança. A Instrução Normativa 62 orienta em seu capítulo 3 que toda água utilizada na produção de leite deve ser clorada. Cloradores devem ser instalados antes de reservatórios e o cloro deve ser monitorado diariamente. Normalmente quando menciono esse ponto em palestras e treinamentos noto uma certa resistência devido ao desconhecimento do tema.

    A cloração é a mais simples e importante etapa de todo processo de tratamento da água. Uma água de poço ou nascente, que seja límpida, necessita de uma simples cloração para garantir sua segurança. Uma vez que o cloro reagiu e matou uma bactéria ou oxidou um material orgânico, ele perde a sua atividade e deixa de ser cloro. Portanto, há um conceito totalmente errôneo de profissionais que têm medo de fornecer água clorada para os animais. O cloro não vai matar as bactérias no rúmen da vaca. Mas, nos próximos textos abordaremos o tema.

    Neste momento cabe orientar que a melhor forma de aplicação do cloro é na forma de pastilhas e estas devem ser registradas na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para o consumo humano. O cloro na forma de pastilhas tem dissolução gradual e evita dosagem excessiva e sem controle. O clorador deve estar antes do reservatório pois o cloro precisa de 30 minutos para matar uma bactéria.

    O controle da cloração deve ser realizado diariamente nos pontos de consumo. Na sala de ordenha recomendamos de 3 a 5 mg/L, o que garantirá que mesmo a água que permanecer no ambiente após a limpeza ainda tenha ação bactericida por um tempo. Na água de bebida humana e animal se deve manter um mínimo de 0,5 mg/L – algo imperceptível ao paladar humano e animal.

    Fonte: SindiRural

Viendo 1 publicación (de un total de 1)

Debes estar registrado para responder a este debate.


Top