Leite ostentação: preço sobe 40% e produto no saquinho vira opção - eDairy News

Leite ostentação: preço sobe 40% e produto no saquinho vira opção

 

 

 

Quem foi ao supermercado nos últimos dias garantir o do café da manhã já sentiu no bolso o aumento do preço do leite. O produto está custando quase R$ 5,00 em Campo Grande, um aumento de cerca de 45% em um ano. A alternativa tem sido voltar a comprar o leite ‘de saquinho’, que sai por cerca de R$ 3,00.

“O leite está como o feijão, ostentação. Lá em casa já até tivemos que diminuir o consumo porque pagar quase cinco reais no litro, não dá”, diz a estudante Joseane de Oliveira, 28. A cabeleireira Maria Eliza de Sousa, de 61 anos, também sentiu a alta. “Um absurdo o preço do leite essa semana. Estamos tomando mais chá lá em casa, que está mais barato e assim gastamos menos”, afirma.

As consumidoras têm razão. O leite longa vida desnatado foi comercializado em junho por uma média de R$ 4,14 em Campo Grande, o que representou uma alavancada de 44,8% em comparação a mesmo mês de 2015, segundo o Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais) da Universidade Anhanguera Uniderp. O integral saiu por uma média de R$ 4,14, um aumento de 44,8% em relação ao ano anterior, de R$ 2,86.

Leite de saquinho é a opção (LA)

A saída para muitos consumidores têm sido o leite de saco. “O de saquinho é mais em conta. Quem tem criança em casa não tem alternativa, precisa comprar de qualquer jeito”, diz a copeira Lucelia Santos Amorim, 35.

Em um supermercado na região do Tiradentes o leite de saco está sendo vendido a R$ 2,99, enquanto o de caixinha custa R$ 3,99. A procura pelo leite de saquinho tem sido grande, segundo funcionários.

“A gente busca alternativa. Está muito complicado ir no supermercado comprar hoje em dia. Está tudo muito caro”, cita a dona de casa Eugênia Antônio, 50 anos.
E a explicação?

A estiagem e baixas temperaturas acarretam na entressafra do leite. A baixa produção no campo e os altos custos com a produção também são os culpados da alta no produto.

“A produção de leite caiu nos últimos meses devido ao clima, e a entressafra, períodos de baixa produção. Essa diminuição da produção é a nível nacional. Por isso, temos uma tendência de maiores preços”, afirma a presidente do Silems (Sindicato das Indústrias de Laticínios de Mato Grosso do Sul), Milene Nantes.

No dia 1º de junho, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou que fará um levantamento para diminuir os tributos durante a seca, época mais difícil do ano para os produtores. “Pensando no período da seca que ocorre a escassez do leite, o governo estuda oferecer um diferencial do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), desta forma o produtor poderá investir na melhora da pastagem e do rebanho para suportar o aumento de produção na época da estiagem”, anunciou.

Ainda de acordo com o governador, a redução do recolhimento da alíquota para a saída do leite também será avaliada. “Vamos pensar nesta reivindicação com carinho, pois queremos fortalecer a indústria local. Precisamos encontrar um equilíbrio para atender toda a cadeia produtiva. Com a melhoria da qualidade genética do rebanho e das pastagens, além da diminuição do ICMS para potencializar as indústrias e oferecer um maior ganho ao produtor, o setor crescerá no Estado”, disse.

http://www.pantanalnews.com.br/contents.php?CID=106961

Tags: , ,
Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

3 Comments

  1. José Carlos Leal said:

    Quem reclama do leite a R$ 5,00 o litro, não se importa de pagar R$ 5,00 na cerveja, R$ 5,00 num litro de suco industrial,
    e até R$ 7,00 em um litro de água (nos postos nas estradas).
    Produzir leite, é trabalhoso, o produtor rural ganha pouco, é sacrificante, é todos os dias. Isso ninguém vê ou imagina.
    Produzir cerveja, suco, envasar água, é só ter equipamentos, aromas, etc… que se produz, quanto quer, e se ganha quanto
    quer.
    Minha gente, vamos pensar melhor, vamos valorizar o trabalho do trabalhador rural.
    O governo que dá subsídio para tudo quanto é produto, estão subsidiando até passista de escola de samba, bem que
    poderia olhar para o trabalhador rural, e subsidiar o leite, se quiserem leite barato.
    O trabalhador rural é que não pode arcar com tudo.
    Abraços a todos
    José Carlos Leal

    • Silvio said:

      O problema é que a mesma pessoa que paga 5,00 em um litro de leite não é o mesma paga que R$ 5,00 a cerveja. Quem sofre como sempre é consumidor final que de uma forma ou de outra paga pelo os valores de toda cadeia.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top