MT tenta expandir produção de leite

#MT tenta expandir produção de leite

Dentro de dois anos, Mato Grosso quer estar entre os cinco maiores Estados produtores de leite do paí­s. Por ora, ocupa o décimo lugar, com 707,1 milhões de litros anuais, e responde por apenas 2,3% do volume nacional. Para Rui Prado, presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), a mudança de posição não será difí­cil de ocorrer depois que um estudo – “Diagnóstico da Cadeia Produtiva de Leite” – elaborado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Aplicada (Imea) apontou os principais entraves do segmento.

Durante um míªs, diversas equipes percorreram os 11 municí­pios mato-grossenses que concentram o maior volume de produção de leite e entrevistaram 380 produtores, 23 indústrias e dez cooperativas. A conclusão foi que 50 litros diários é a média da maioria das propriedades – 82% delas praticam a ordenha manual – e que os pecuaristas que chegam a entre 100 e 200 litros por dia são responsáveis por 28% da produção do Estado.

A baixa produção pode ser explicada pela alimentação do rebanho, quase exclusivamente í  base de pastagens que passam por pouca renovação ou adubação e pela escassa assistíªncia técnica.

A avaliação é do professor Sebastião Teixeira Gomes, da Universidade Federal de Viçosa (MG), especialista no assunto e coordenador da equipe. “Não vejo impedimentos para a mudança, pois as propriedades são pequenas [32,5 hectares] e o Estado é um grande produtor de grãos”, comenta. Gomes reforça que a silagem de milho e farelo de soja são fundamentais na dieta animal.

Rui Prado reconhece que o fornecimento de uma alimentação mais rica em nutrientes significa aumento no custo de produção, que hoje é de R$ 0,33 por litro, considerado suficiente para o preço de R$ 0,61 por litro pago ao produtor no Estado. Com a expansão planejada pelo segmento, a Associação dos Produtores de Leite em Mato Grosso (Aprosleite-MT) prevíª a necessidade de incremento de 32% no preço recebido pelo pecuarista.

Segundo Prado, os laticí­nios e cooperativas mato-grossenses demonstraram interesse no levantamento, “pois se deram conta do potencial desperdiçado”, diz. O estudo do Imea aponta que apenas no ano passado 55% das cooperativas operaram 25% abaixo da sua capacidade (captação de 41,2 mil litros por dia) e 25% das indústrias processaram 221,1 mil litros diários, 11% menos que a capacidade das instalações.

Rui Prado informa que a meta inicial é implantar manejo e alimentação adequados nas propriedades, para garantir o sucesso do projeto. “Se Mato Grosso já deu certo com lavouras de soja e milho e com a criação de boi, por que não repetir o mesmo feito com o leite?”, indaga.

Fonte: Sonda Brasil

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top