Leite sustenta pequeno produtor em Mato Grosso

#Portalacteo: Leite sustenta pequeno produtor em Mato Grosso

Cerca de 50 mil propriedades da agricultura familiar em Mato Grosso sobrevivem hoje da produção de leite.DO PORTAL DO AGRONEGí“CIODestas mais de 190 propriedades participam do projeto Balde Cheio, voltado í  profissionalização da atividade. O número é 54,4% superior a 2011. Atualmente, o Estado produz ao dia 1,8 milhão de litros do produto, sendo o segundo maior produtor da região Centro-Oeste, perdendo para Goiás com cerca de 5 milhões de litros/dia. O preço médio pago pelo litro do leite ao produtor é de R$ 0,65, podendo chegar a R$ 0,80 se qualidade atender as normativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Segundo organizadores do projeto, há produtores no Estado que gastam R$ 0,19 centavos para produzir um litro de leite.

Há tríªs anos em atividade o projeto Balde Cheio, desenvolvido pelo Sebrae-MT em parceria com 25 municí­pios, conseguiu atingir pouco mais de 190 propriedades leiteiras da agricultura familiar no Estado e conta hoje com 46 técnicos ativos prestando assistíªncia aos produtores. Em 2011 o projeto atingiu a marca de 123 propriedades e contava com 26 técnicos. Segundo o responsável pelo projeto no Sebrae-MT, Aureliano Cunha Pinheiro, o projeto conta também com a parceria de duas cooperativas a Comajul e a Coopernova.

“Dos 141 municí­pios aproximadamente 99 vivem da cadeia do leite. Aos poucos estamos levando aos produtores o projeto e mostrando a eles que se pode aumentar a produção com custo pequeno. Temos atualmente produtores que desembolsam apenas R$ 0,19 para produzir um litro e recebem R$ 0,65 pelo mesmo. Se a qualidade atender as normativas o valor pago pode chegar a mais R$ 0,15”, comenta Pinheiro.

Conforme o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás (Senar-GO), Marcelo Martins, é preciso que o produtor busque cada vez mais conhecimento, pois só assim conseguirá ampliar sua produção.

Ele, que ministrou a palestra “Tendíªncias e Cenários para o Leite” ontem no Centro de Eventos do Pantanal, comentou que a previsibilidade de preço do litro do leite como ocorre nas demais commodities é algo que não existe. â€œí‰ a única cadeia no mundo que não se sabe com antecedíªncia o quanto o produtor irá receber”.

Entressafra

Na entressafra a produção de leite cai em 50%, de acordo com o responsável pelo projeto Balde Cheio no Sebrae-MT. Pinheiro comenta que está conseguindo nas 190 propriedades participantes manter a produção em alta. “Isso traz ganho para o produtor e a indústria que não trabalha com uma ociosidade maior que a atual. Além de produzir mais com um custo menor, nosso maior desafio no projeto é sensibilizar as prefeituras de Mato Grosso quanto í  importí¢ncia da contratação de assistíªncia técnica para os produtores. Com essa assessoria poderemos melhorar a qualidade do nosso leite, ampliar a produção, o produtor passa a ter mais conhecimento e a planejar e assim atingir a meta do governo de Mato Grosso de produzir 5 milhões de litros/dia até 2014”.

2013 – Questionado sobre as perspectivas de adesão ao Balde Cheio, Pinheiro comenta que não há como prever, pois é um processo de mudanças e depende da gestão pública na admissão de assistentes técnicos.

http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=4&cid=131445

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top