Mato Grosso terá que abater gado para prevenir 'mal da vaca louca'

#Portalacteo: Mato Grosso terá que abater gado para prevenir mal da vaca louca

Ação tem a finalidade de evitar doenças, como o ‘mal da vaca louca’. Em Mato Grosso, 27 animais devem ser abatidos de forma preventiva.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em Mato Grosso reforçou a vigilí¢ncia e monitoramento das propriedades rurais onde a utilização de proteí­na animal na alimentação dos ruminantes foi identificada. A prática representa um risco para a disseminação de doenças, entre elas, a da ‘vaca louca’. Vinte e sete animais deverão ser abatidos até o míªs de novembro em caráter preventivo por terem exames confirmando na dieta o uso da chamada cama de aviário (formada de restos de ração, penas, substratos e fezes).

O municí­pio de Nova Marilí¢ndia, a 261 km de Cuiabá, tem o maior número de bovinos que precisam ser abatidos: 17. Tangará da Serra, a 242 km da capital, outros sete (já abatidos); e Campo Verde, a 139 km, outros tríªs. Desde janeiro, 40 propriedades foram fiscalizadas em ação conjunta entre Mapa e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea).

“Das 40 propriedades fiscalizadas encontramos uso de proteí­na animal em tríªs. Os animais devem ser eliminados para se evitar o risco”, afirma o médico veterinário Donizeti Mesquita, responsável pelo Programa de Prevenção da Vaca Louca e Controle de Raiva em Herbí­voros do Mapa em Mato Grosso.

O representante lembra que mediante a detecção de subprodutos de origem animal nos alimentos fornecidos aos animais, eles deverão ser abatidos em frigorí­ficos sob inspeção oficial. Há o aproveitamento da carcaça e remoção e destruição do material de risco especí­fico (cérebro, olhos, amí­gdalas, medula espinhal e porção distal do í­leo) para a Encefalopatia Espongiforme Bovina, em no máximo 30 dias.

“Como o Brasil não quer ter problemas com a doença, elimina preventivamente os animais”, afirma o veterinário. Mesmo sem ter registrado no paí­s nenhum caso, os agentes de sanidade animal mantíªm o alerta para proteger o rebanho do mal, já que Mato Grosso possui o maior número de cabeças de gado do Brasil, com mais de 29 milhões de animais.

O veterinário explica que a cama de aviário oferece riscos sanitários para os bovinos porque no Brasil a ração utilizada para alimentação dos frangos contém entre seus ingredientes a farinha de carne. Este material é descartado, em partes, nas fezes das aves, ou mesmo desperdiçado durante enquanto elas se alimentam.

Como a cama de aviário corresponde í  cobertura que fica no solo depois que as aves são retiradas, ao levar este material e usá-lo para alimentação do rebanho, os bovinos estão suscetí­veis í s doenças. A importação de animais para o Brasil oriundos daqueles paí­ses onde a vaca louca foi detectada também fez o governo intensificar as fiscalizações.

Médico veterinário e diretor da Associação dos Criadores de Mato Grosso, Guilherme Nolasco faz um alerta. “O uso deste produto é proibido e além de depreciar um rebanho pode também gerar problema econí´mico”, manifestou. De acordo com ele, ao optar pelo material, o produtor não reduz seus custos com alimentação, mas eleva o risco de contaminação.

O uso é tradicionalmente recorrente em pequenas propriedades onde ocorre a criação de gado leiteiro. “Existe hoje uma infinidade de produtos no mercado e também subprodutos da agricultura, rações prontas que aumentam o resultado e geram confiabilidade maior”, pontuou Nolasco.

No Brasil, as cadeias produtivas da pecuária de corte e de leite englobam mais de dois milhões de propriedades, com aproximadamente sete milhões de trabalhadores, gerando uma receita aproximada de US$ 30 bilhões/ano.
Fonte: G1 MT

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top