Seca provoca redução na produção de leite no agreste de Pernambuco

#Portalacteo:Seca provoca redução na produção de leite no agreste de Pernambuco

Em Bom Conselho, não há pasto e 90% dos açudes do lugar estão vazios.Criadores estão com dificuldade para alimentar o gado na região.
A seca está prejudicando a produção de leite no Nordeste. A situação é complicada mesmo onde choveu um pouco. A falta de chuva tem prejudicado os criadores em toda a região do agreste de Pernambuco.

No municí­pio de Bom Conselho, um dos principais produtores de leite de Pernambuco, não há pasto e 90% dos açudes do lugar estão vazios. Desde quando a seca começou, o criador Ivanildo da Silva não consegue mais encher o balde como antes. Sem pasto, as vacas recebem uma mistura de palma, bagaço de cana e farelo. Cada animal come apenas uma pequena quantidade e só se alimentará novamente depois de 12 horas.

O criador Juarez de Farias não víª resultados no investimento de cerca de R$ 100 mil na compra de equipamentos de ordenha mecí¢nica. “O tanque fica cheio com 1,6 mil litros de leite. hoje, está em torno de 200 litros por dia”, diz.

O cenário na bacia leiteira que reúne a produção de 11 municí­pios de Alagoas é um pouco diferente em relação a outras regiões do semi-árido do Nordeste. As chuvas que caí­ram nos últimos dois meses permitiram a recuperação da pastagem.

Na propriedade do criador José Gilvan de Aquino, as 30 cabeças de gado aproveitam o capim verdinho. Neste mesmo perí­odo do ano passado, ele dava mais ração para os animais. Agora, diante do alto preço do farelo de soja, o produtor reduziu esse tipo de comida. Mas ao alimentar as vacas basicamente com o capim, houve queda na produção de leite.

A economia com a compra de concentrado no curto perí­odo do inverno não é suficiente para cobrir as despesas que os produtores tiveram no primeiro semestre com a aquisição de alimento para o gado durante o perí­odo de estiagem que este ano se estendeu até o final do míªs de junho.

O criador Gerson da Silva está na mesma condição. Ele faz parte da cooperativa que fornece o leite para o programa do governo estadual. O produtor diz que o aumento dos custos está gerando agora um prejuí­zo. Ele recebe R$ 0,89 pelo litro. “O preço do litro de leite para o produtor precisaria ser de no mí­nimo R$ 1,00 na região da bacia leiteira. Isso se mantendo até chegar a chuva e a gente melhorar de situação. A gente está vendendo animais para comprar bagaço de cana e ração”.

O criador vende o leite para um programa da Secretaria da Agricultura. O preço do produtor é definido por um comitíª ligado ao Ministério do Desenvolvimento Social
http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2012/09/seca-provoca-reducao-na-producao-de-leite-no-agreste-de-pernambuco.html

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top