Possível "cartel" entre os Laticínios Italac e Tradição é denunciado na

Possível “cartel” entre os Laticínios Italac e Tradição é denunciado na Assembléia Legislativa de Rondônia

Parlamentar afirma que as empresas Italac e Tradição recolhem a maior parte do leite produzido no Estado sem pagar um preço justo
Possível “cartel” entre os Laticínios Italac e Tradição é denunciado na Assembléia Legislativa de Rondônia
O deputado Laerte Gomes (PSDB) expressou, em sessão na terça feira (19), uma preocupação com a monopolização da aquisição leite no âmbito do Estado. Segundo o parlamentar, existe fortes indícios de existência de um cartel entre duas grandes empresas brasileiras em Rondônia.
Laerte afirmou que ao andar pelo Estado tem percebido uma diminuição do setor leiteiro e que, além da falta de políticas públicas para incentivar a produção, haveria um cartel entre as empresas Italac e Tradição, que recolhem a maior parte do leite nas propriedades. “Isso dá um desanimo nos produtores. Essas empresas recolhem, industrializam e acabam fazendo os outros laticínios seguirem os preços que eles normatizam”, destacou.
O parlamentar ressaltou que esse é só um dos problemas para a bacia leiteira. Além da falta de opções para venda, os criadores têm de entregar o que foi produzido e só são informados o quanto irão ganhar cerca de 60 dias depois. “Com outras culturas eles podem discutir o preço e escolher para quem vender. O leite é um produto diferente, eles têm que vender e só depois de 60 dias descobrem quanto irão receber”, especificou.
O deputado fez um levantamento através da Consultoria Scott, uma das mais renomadas no País, onde pôde constatar que Rondônia é o Estado em que os produtores recebem o menor preço no Brasil. “A média do leite comum no País gira em torno de R$ 1,15 e R$ 1,25, segundo a consultoria. No Pará, que é um pouco mais distante dos polos de comércio como São Paulo, o preço recebido é R$ 1,05, enquanto em Rondônia é R$ 0,85”, citou.
Ele ressaltou que ambas as empresas possuem benefícios fiscais e que o dinheiro deveria ser repassado aos produtores, porém não é o que ocorre. “Esses lucros abusivos estão indo para os bolsos dos empresários. Os produtores rurais do Estado estão sendo penalizados”, destacou.
Laerte denunciou, também, o teor do Decreto 21.504, reeditado pelo Governo do Estado para proteger as indústrias de Rondônia que produzem leite longa vida UHT em caixinha e pasteurizado. O parlamentar citou que esse pleito foi apresentado ao Executivo pela Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero), aumentando a carga tributária para o leite que vem de outros Estados.
“Com esse decreto, nas gôndolas dos supermercados houve um acréscimo de R$ 15% a 20% no preço do leite não produzido em Rondônia. O Governo entendia que essa diferença seria repassada aos produtores, mas pelo contrário, está indo para o bolso de empresários, enquanto o consumidor parece não ter direito a usufruir da concorrência”, afirmou o deputado Laerte.
Segundo o parlamentar, essa ação acabou por prejudicar os consumidores, que agora pagam mais pelos produtos vindos de fora, e os criadores de Rondônia ainda não estão recebendo o que lhes é devido. “Já estive com o secretário de Estado da Fazenda solicitando a revogação desse decreto com urgência, para que supermercados e atacadistas possam trazer produtos de fora mais baratos”, detalhou.

http://www.planetafolha.com.br/rondonia/id-650886/possivel_equot_cartelequot__entre_os_laticinios_italac_e_tradicao_e_denunciado_na_assembleia_legislativa_de_rondonia

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top