Preço do litro de #leite é recorde

Preço do litro de #leite é recorde

 
A bovinocultura de leite registrou um recorde neste primeiro trimestre de 2014 ao apresentar o melhor preço do litro pago ao produtor mato-grossense, em toda história da atividade local, para o período. A alta foi de mais de 20% na comparação com o mesmo acumulado do ano passado, como aponta o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em seu relatório mensal sobre a atividade.

 

 

 

O lado ruim desse momento inédito – para este segmento do agronegócio estadual que ainda busca tecnologia e profissionalização para produzir mais e com maior qualidade – é que a majoração impactou sobre o bolso do consumidor e a alta para o leite e seus principais derivados, acumula também dois dígitos no varejo local. Em um exemplo, o leite UHT – o longa vida de caixinha – passou de R$ 2,42 o litro, preço médio em abril de 2013, para R$ 2,94 no mês passado, incremento anual de 21,49%, acima do ganho do produtor.

 

Como detalham os analistas do Imea responsáveis pelo relatório, o litro do leite pago ao produtor atingiu níveis elevados para os padrões da bovinocultura leiteira mato-grossense e mesmo nos períodos das chuvas ou safra, a cotação não caiu como de costume. Os preços saíram de R$ 0,768/litro em fevereiro/14 para R$ 0,788/litro em março/14, variação positiva de 2,63%. “Para se ter uma ideia, os preços recebidos nos três primeiros meses de 2014 (R$ 0,777/litro) foram superiores em 20,40% aos preços do mesmo período do ano de 2013 (R$ 0,645/litro), ou, ganho de mais de treze centavos por litro comercializado”.

 

MERCADO – Comparando o preço do principal derivado do leite no Estado, o queijo tipo muçarela, o primeiro trimestre de 2013 sofreu uma variação positiva de 3,13% quando é comparado janeiro/13 e março/13, alterando o preço de R$ 10,47/kg para R$ 10,80/kg. Já no primeiro trimestre de 2014, a variação foi 9,43%, registrando o valor de R$ 10,87/kg em janeiro/14 para R$ 11,90/kg em março/14. O fato de o preço do leite pago ao produtor ter ficado estável entre janeiro/13 e março/13 (R$ 0,650/l), pode ser a explicação para a baixa variação no queijo tipo muçarela. Já entre janeiro/14 e março/14, o preço do leite pago ao produtor registrou variação de 1,46%, com preços de R$ 0,777/l em janeiro/14 para R$ 0,788/l em março/14, sendo uma transmissão de preços normal na cadeia os aumentos no queijo tipo muçarela.

 

“Diferentemente dos outros estados produtores de leite no país, Mato Grosso registrou chuvas além do esperado, já que a média histórica é 219,50 milímetros e em março/13 choveu 322,9 milímetros e em março/14 choveu 267,6 milímetros, fator esse que contribui para que a captação de leite continuasse elevada”, destacam os analistas.

 

PREÇOS – a região sudeste foi a que atingiu maior valor médio pelo litro pago ao produtor: R$ 0,830/l em março, aumentando em 4,14% ante fevereiro. No noroeste houve aumento de 5,90% no preço médio pago ao produtor, sendo o valor de R$ 0,725/l em março/14. No norte, o valor médio pago ao produtor foi de R$ 0,788/l em março, não sofrendo alteração quando comparado com o mês anterior. No nordeste o litro foi cotado a R$ 0,817 em março, variação positiva de 5,10%. No médio norte, o valor médio pago ao produtor foi de R$ 0,744/l em março, aumento de 1,36% quando comparado a fevereiro/14. No oeste houve variação negativa de 0,70% sobre o preço médio pago ao produtor, com preços de R$ 0,793/l em fevereiro e R$ 0,787/l em março. No centro sul, foi registrado um aumento de 3,71% no preço médio pago ao produtor, de R$ 0,792/l em fevereiro.

 

Fonte: Marianna Peres, do Diario de Cuiabá

 

 

 

Tags: , ,
Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top