Produção de leite cai 14% e preço dispara em Mato Grosso do Sul

Produção de leite cai 14% e preço dispara em Mato Grosso do Sul

A produção está menor e isso intensifica a concorrência entre as indústrias na captação do leite

 

O preço apresentou média de R$ 0,9074 por litro, aumento de 10,13% em relação a fevereiro e queda de 9,62% frente ao R$ 1,004/litro do mês passado.

O preço do leite em Mato Grosso do Sul deve registrar preço médio de R$ 0,979 o litro no mês de abril, com valorização de 7,8% em relação ao anterior.

Os dados são da Unidade Técnica do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS e foram divulgados no Boletim Casa Rural de terça-feira.

“A principal justificativa do aumento nas cotações da matéria-prima está na redução do volume produzido este ano. No primeiro bimestre, o volume captado foi 35,9 milhões de litros, 13,6% inferior ao mesmo período de 2017 quando foram captados 41,6 milhões de litros”, explica a analista técnica do Sistema Famasul, Eliamar Oliveira.

De acordo com dados levantados pelo Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite (Conseleite), em março, o preço apresentou média de R$ 0,9074 por litro, aumento de 10,13% em relação a fevereiro e queda de 9,62% frente ao R$ 1,004/litro do mês passado.

A estimativa para abril é R$ 0,9788 o litro, valorização de 7,84%. Segundo a Famasul, a produção está menor e isso intensifica a concorrência entre as indústrias na captação do leite.

No atacado em MS, os preços médios da maioria dos produtos lácteos foram menores em março, quando comparados a fevereiro. A manteiga registou a maior queda, 5,47% e as bebidas lácteas, 3,24%. Outros itens também, porém foram índices pequenos, o que demonstra relativa estabilidade nos preços. As valorizações foram observadas no queijo mussarela, provolone, leite cru (spot) e creme de leite, 7,71%, 2,25%, 12,63% e 17,52%, respectivamente.

A produção de Mato Grosso do Sul, considerando os estabelecimentos sob Inspeção Federal (SIF), foi menor no primeiro bimestre de 2018. O volume captado foi 35,9 milhões de litros, 13,6% inferior ao volume de igual período de 2017 quando foram captados 41,6 milhões de litros.

A relação de troca entre o produto leite e milho segue desfavorável ao produtor de leite. Em março de 2017 foram necessários 23,74 litros de leite para adquirir uma saca de milho, no mês de março do ano corrente houve um aumento de 46,3% e para adquirir a mesma saca de milho e foram necessários 34,73 litros de leite. “Outro fator que contribuiu para o incremento no valor foi a melhora na capacidade de pagamento das indústrias, tendo em vista que importantes produtos do mix de lácteos do estado registraram valorização, como por exemplo a mussarela e o leite cru”.

O agronegócio sul-mato-grossense foi responsável por 93,91% das exportações de MS no período entre janeiro e março de 2018. Os produtos florestais foram os responsáveis por 36,39% da receita total com as exportações do agronegócio, somando US$ 408,6 milhões, alta de 67% no comparativo com igual período do ano anterior. Em segundo lugar aparece o complexo soja com 31,20% e em terceiro lugar estão as carnes (bovino, suíno e ave) com 22,34% das receitas geradas com exportações.

http://www.douradosagora.com.br/noticias/economia/producao-de-leite-cai-14-e-preco-dispara-em-mato-grosso-do-sul

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top