Produtores de leite exigem que tutela fiscalize setor

Produtores de leite exigem que tutela fiscalize setor

 

A Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep) afirmou hoje que “a cada dia útil fecha uma exploração” leite em Portugal, exigindo ao Governo que fiscalize o setor e reúna num acordo produtores, indústria e distribuição.

“Não percebemos como é que somos o país da União Europeia, a 28, com o menor preço pago ao produtor. A cada dia útil fecha uma exploração. Este ano já fecharam mais de duas centenas de explorações”, disse o presidente da Aprolep, Jorge Oliveira, numa conferência de imprensa que juntou na Maia, distrito do Porto, algumas dezenas de produtores.

O responsável descreveu que o preço da venda ao público do leite “está muito baixo” e alertou que o produto está a ser “desvalorizado”, exigindo a intervenção da tutela.

“Encontramos [um litro de] leite à venda por 46 cêntimos com IVA, portanto 43 sem IVA. A nós compram por 31, preço sem IVA. E anunciam 30 para o próximo ano. Como é que é possível vender leite a 43 e pagar-nos a 30 quando só o pacote custa 10 cêntimos? Acresce o preço da recolha e a margem da distribuição. Não é possível estar a este preço”, disse Jorge Oliveira.

O melhor do Diário de Notícias no seu email

Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a qualidade Diário de Notícias.
A Aprolep fala em “estratégias de venda a perder dinheiro” e aponta que “só o Ministério da Agricultura pode fiscalizar o setor”.

“Pedimos que fiscalize para ver o que se passa. Não é possível isto acontecer. Está a existir uma política de desvalorização do leite. Cada vez desvaloriza mais e depois não conseguem pagar-nos um preço justo. É preciso criar um acordo entre os três componentes na cadeia: produção, indústria e distribuição. Para que não sejam só alguns a ganhar um bocadinho de dinheiro e para que daqui a uns anos a produção em Portugal não esteja destruída”, disse Jorge Oliveira.

Para a Aprolep “o custo justo é aquele que cobre os custos de produção”, os tais 35 cêntimos que têm vindo a ser reivindicados por esta associação que, no que diz respeito ao balanço sobre 2017, não é tão otimista como a Federação Nacional das Cooperativas de Produtores de Leite (Fenalac), a qual, na terça-feira, em declarações à Lusa, afirmou que “há uma tendência de estabilização do mercado”.

“É verdade que tivemos uma evolução positiva em relação a 2016, mas não foi o que deveria ter sido e que de igual forma ocorreu nos outros países da Europa. Os outros países, principalmente os mais a Norte [da Europa], têm o preço de produção a 40 cêntimos/litro e a média de Portugal não chegava aos 31 em outubro. Com este défice, não me parece que seja motivo para batermos palmas. É motivo para estarmos tristes e preocupados com o futuro”, referiu o presidente da Aprolep.

Em jeito de perspetiva sobre o que acontecerá em 2018, o responsável afirmou que “os preços já estão a descer”, prevendo que “desçam novamente sem dar a oportunidade aos produtores de conseguir ganhar um bocadinho de margem”.

Já confrontado com o facto do consumo do leite estar a diminuir, Jorge Oliveira desvalorizou, referindo que “a quebra que tem acontecido, tem acontecido também nos outros países”, pelo que “não sendo caraterística só de Portugal”, não é a razão, concluiu, para os “baixos preços nacionais”.

https://www.dn.pt/lusa/interior/produtores-de-leite-exigem-que-tutela-fiscalize-setor-8999525.html

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top