Seca na Nova Zelândia – Ajuda para o setor lácteo da Argentina?

Seca na Nova Zelândia – Ajuda para o setor lácteo da Argentina?

Leite/AR – Não apenas os produtores de grãos da Argentina estão temerosos com o impacto da seca: o fenômeno também está presente na Nova Zelândia, um dos principais produtores mundiais de leite, o que, em princípio, pode significar boas notícias para os produtores de leite e a indústria da Argentina.

Segundo um artigo da imprensa italiana, divulgado pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (Ocla), a multinacional Fonterra, que regularmente realiza leilões nos quais se estabelece o preço mundial de referência para os lácteos, revisou para menos as expectativas de produção da Nova Zelândia. Nestas circunstâncias, espera-se que a cotação internacional do leite em pó aumente, diante de uma redução da oferta.

Contexto

Na primeira metade da temporada, de junho a novembro, a produção de leite da Nova Zelândia cresceu 1,85%; agora a Fonterra prevê redução de 3%, devido às atuais condições de seca que afeta, negativamente, a qualidade dos pastos.

“Na primeira semana de 2018, os preços do leite em pó integral se fortaleceram, revertendo a fraca tendência de preços do final de 2017. O aumento reflete as projeções da Fonterra de menor produção de leite e o anúncio de menor oferta de leite em pó integral”, diz a Ocla.
http://www.terraviva.com.br/site/index.php?option=com_k2&view=item&id=15452:seca-na-nova-zelandia-ajuda-para-o-setor-lacteo-da-argentina

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top