Sindilat/RS e Conseleite trabalham para a sustentabilidade da bacia leiteira

#Sindilat/RS e Conseleite trabalham para a sustentabilidade da bacia leiteira

O Sindicato da Indústria de Laticí­nios e Produtos Derivados do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS) e o Conselho Estadual do Leite (Conseleite) trabalham para unir e fortalecer a cadeia produtiva e cumprir as metas do Projeto para Consolidação do Setor Lácteo Gaúcho, que reúne empresas, produtores e governo.

De acordo com o presidente do Sindilat, Wilson Zanatta, o projeto é de médio e longo prazo e tem como objetivo obter uma bacia leiteira com sustentabilidade. O dirigente informa que são quatro grandes iniciativas.

A primeira é trazer um centro de pesquisa da Embrapa para região Sul, de clima temperado. “Atualmente existe apenas a Embrapa de clima tropical, em Minas Gerais. A criação deste centro ajudaria a equalizar o custo de produtos.”

Outra ideia é criar um centro de inteligíªncia, com o objetivo de fazer a apuração de dados estatí­sticos confiáveis, como o número de produtores, de vacas ordenhadas, de média de proteí­na e de células somáticas.

Zanatta também destaca que é necessário instalar escolas técnicas para formar mão de obra para fazendas e empresas de laticí­nios e implantar programas de fomento para que esse trabalho de pesquisa e inteligíªncia chegue ao agricultor. Esse projeto envolve os produtores, a Fetag, a Farsul e a Fecoagro.

Ele ressalta que o setor também está interagindo com o governo para fortalecer os elos da cadeia produtiva. Ele lembra que o Sindilat/RS está atento í s reivindicações do setor junto ao governo, como melhorar os incentivos fiscais e defender os pontos já conquistados. Reforça o aspecto referente í  guerra fiscal no leite. “Ela é bastante acirrada entre os estados e uma das questões que devem ser analisadas é a incidíªncia de ICMS ao longo de toda cadeia do leite”, diz.

O Sindilat/RS tem 43 anos de atuação e hoje reúne 31 associados, que representam 90% do leite produzido no Estado, conforme Zanatta. O setor leiteiro gaúcho já representa 3% do PIB do Rio Grande do Sul, o que, de acordo com ele, é significativo para a economia.

A produção leiteira de 2011/2012, apesar de ter sofrido os efeitos da seca, encontrou mecanismos para driblar a situação e ainda registrou crescimento de 15% no perí­odo.

Zanatta acredita que a produção anual do Paí­s, que hoje é de 32 bilhões de litros, poderia passar para 40 bilhões, através do estí­mulo ao consumo nos programas sociais do governo e na merenda escolar. Defende também uma polí­tica para redução das importações do produto. Durante a Expointer, o Sindilat/RS promoverá uma ação de marketing para estimular o consumo de leite e de produtos lácteos e mostrar seus benefí­cios para saúde. Em recente viagem í  Nova Zelí¢ndia e Austrália, acompanhando comitiva do governo do Estado, ele verificou as ações adotadas naqueles paí­ses voltadas ao estí­mulo í  produção leiteira e de carne bovina.

Fonte: Osni Machado / Jornal do Comércio

Toda reclamação originada das informações contidas no site de eDairy News será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, sediado na Cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outro local, incluso o Federal.

*

Critérios na moderação de comentários em termos de publicação e Notícias de produtos em todas as suas publicações.

  • No sé considerarán insultos de qualquer tipo em contra de qualquer persona, sea usuario, moderador ó editor. Apenas se aceitar denuncias realizadas com nome e apelido do autor do comentario, previa confirmação de moderador.
  • Críticas destructivas infundadas e gratuitas, expressões de mal gusto, sean ofensivas, racistas ou xenófobas.
  • Hacer SPAM, (Insertar vínculos de páginas web sem links para o tema, correções eletrônicas, etc ...)
  • Comentários que não tem sentido com a nota no setor lácteo.

Related posts


Top