Uruguai: setor leiteiro segue em crise e nº de vacas abatidas cresce – eDairyNews Últimas notícias
Brasil |12 julio, 2016

Leite | Uruguai: setor leiteiro segue em crise e nº de vacas abatidas cresce

As organizações leiteiras do Uruguai esclareceram ao governo do país que não querem queixas, somente esperam soluções aos pedidos que fizeram em novembro de 2015, frente a uma crise do setor que se agrava, com endividamento crescente e mais vacas que, em vez de produzir nas fazendas leiteiras, terminam nos abatedouros.

 
As organizações leiteiras do Uruguai esclareceram ao governo do país que não querem queixas, somente esperam soluções aos pedidos que fizeram em novembro de 2015, frente a uma crise do setor que se agrava, com endividamento crescente e mais vacas que, em vez de produzir nas fazendas leiteiras, terminam nos abatedouros.

Rechaçando as palavras ditas há alguns dias pelo subsecretário de Pecuária, Agricultura e Pesca, Enzo Benech, que, entre outras coisas, disse que o setor leiteiro é subsidiado, as organizações disseram que “há desconhecimento” do setor por parte do governo e que “o subsídio foi aplicado há 40 anos, quando o país precisava de leite”.

As organizações disseram que esperam uma contestação do governo como:

– exoneração por parte da companhia de energia elétrica dos primeiros 500 kilowatt;
– tarifa especial para as fazendas leiteiras;
– redução do Imposto ao Afastamento de Bens Agropecuários (Imeba), passando de 1,1% para 0%;
– redução do Imposto às Rendas de Pessoas Físicas (IRPF) para os arrendamentos rurais, segundo o prazo;
– criação de uma taxa de devolução de impostos para o setor;
– redução da taxa consular às exportações;
– execução de um fundo que permita atenuar a situação complicada que o setor vive hoje.

A tudo isso, deve-se somar também a proposta, ao ministro Tabaré Aguerre, de encontrar alguma saída econômica no Banco da República do Uruguai (BROU), pondo em garantia a recria das fazendas leiteiras (as bezerras). “Tampouco tivemos resposta”, disseram os representantes das organizações.

O presidente da Associação Nacional de Produtores de Leite (ANPL), Rodolfo Braga, disse que, em novembro de 2015, se advertia sobre processos que estão ocorrendo hoje, “como a queda da captação pelas plantas e o maior envio de mais vacas a frigoríficos, porque o produtor de leite está endividado e tem que vender os animais para fazer caixa”.

Produto da crise econômica e de preços, o setor leiteiro uruguaio conta hoje com uma captação 15% inferior à do ano passado a essa altura do ano, porcentagem que representa 1 milhão de litros diários a menos que deixam de ser industrializados.

O setor leiteiro uruguaio ocupa apenas 5% da área nacional, agrupa 2.000 produtores e gera 20.000 postos de trabalho aos que se somam outras 100.000 pessoas envolvidas em serviços e fornecedores. Enquanto esperam um novo encontro com o ministro Aguerre, os produtores asseguram “não ter sinais claros do governo, enquanto o setor vai de mal a pior”.

Em maio, foram abatidas 10.563 vacas leiteiras, 20% a mais que em maio de 2015 (dados do Inale). No acumulado do ano (janeiro-maio), foram abatidas 46.037 cabeças. Porém, os abates aumentam mais se forem considerados os números dos últimos 12 meses (junho de 2015 a maio de 2016), que chega a 119.947 vacas leiteiras a menos. Nesse período, o aumento foi de 23% (22.294 mais vacas abatidas no período).

As associações querem sensibilizar a população e o governo sobre a crise que vive o setor, mas não gerar alarme. Por isso, o presidente da ANPL explicou que o país está longe de um desabastecimento de leite no mercado interno (porque hoje isso é o que mais valoriza o preço). Porém, o setor não se sustenta com o mercado interno somente – de cada 100 litros, 30 vão ao mercado interno e 70 às exportações.

http://www.milkpoint.com.br/cadeia-do-leite/giro-lacteo/uruguai-setor-leiteiro-segue-em-crise-e-n-de-vacas-abatidas-cresce-101031n.aspx

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas