A pecuária leiteira é responsável pela geração de emprego e fomento da renda em todo o estado, mas sofre com a desvalorização.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A pecuária leiteira é responsável pela geração de emprego e fomento da renda em todo o estado, mas sofre com a desvalorização.

Produtores de leite de RO. – Foto: Whatsapp Divulgação

 

Em média de cem produtores de leite do estado terão uma audiência publica com representante do governo, laticínios, prefeitos, vereadores e deputados estaduais para debater sobre a baixa no preço do leite no estado, os laticínios tem pago em média 0,85 centavos no litro, preço que era pago em 2008.

No mês passado houve uma reunião em Jaru no Sindicato dos Trabalhadores rurais com a presença do deputado federal Lúcio Mosquini do deputado estadual Lazinho da Fetagro, porém, os representantes dos laticínios foram convidados e não compareceram.

O setor produtivo primário do estado de Rondônia, é o responsável por manter a economia em funcionamento, gerando emprego e fomentando a renda, mas infelizmente vem sofrendo com a falta de valorização de uma de suas matérias primas primordiais, o “leite”.

Os produtores esperam sair de Porto Velho com uma solução, caso contrário irão parar toda a entrega do leite no estado, e uma greve será marcada para os próximos dias.

O objetivo dos produtores é pressionar os laticínios com a possibilidade do governo retirar o subsidio que tem, e com isso conseguir um preço mais justo por litro de leite.

A desvalorização do produto tem desmotivado produtores, que buscam alternativas de produção e há registros de evasão de alguns, para culturas como a pecuária de corte e até investimentos noutros setores fora do setor primário.

 

A cadeia láctea tem sua dinâmica moldada por vários aspectos, os quais refletem diretamente no preço do leite pago aos produtores.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER