A empresa Betterland Milk, em parceria com a startup Perfect Day, ambas nos EUA, desenvolveram um produto que parece leite, tem gosto de leite, mas não é retirado da vaca.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A empresa Betterland Milk, em parceria com a startup Perfect Day, ambas nos EUA, desenvolveram um produto que parece leite, tem gosto de leite, mas não é retirado da vaca. A bebida livre de produtos de origem animal é produzida usando fermentação de precisão, criando uma espécie de proteína de soro de leite idêntica à original.

O método é semelhante ao usado na fermentação para produzir álcool, mas com as proteínas lácteas sendo o subproduto desse processo, que utiliza uma microflora geneticamente modificada à base de plantas para a fabricação do leite, com um impacto ambiental muito menor.

“Nosso leite é cremoso e tem um desempenho melhor do que outros leites à base de plantas, ao mesmo tempo em que oferece a mesma textura para cozinhar, bater ou assar. Além disso, o produto contém menos açúcar que o leite de vaca tradicional, não tem lactose, colesterol ou hormônios, e também é feito sem uso de antibióticos”, diz a CEO da Betterland Lizanne Falsetto.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Quase igual

Um copo do leite “sem vacas” possui aproximadamente 8 gramas de proteína, a mesma quantidade encontrada no leite de verdade. Quanto ao sabor, o produto puro tem um gosto um pouco diferente da bebida original, mas ao ser misturado, essa diferença se torna praticamente imperceptível.

Criadores garantem que o soro de leite é tão cremoso quanto o leite de vaca (Imagem: Reprodução/Betterland Foods)

Segundo a empresa Perfect Day, essa proteína de soro de leite reduz o consumo de água em 99%, as emissões de gases de efeito estufa em até 97% e o uso de energia não renovável em cerca de 60% na comparação com o processo tradicional para obtenção do leite proveniente de animais.

“Nossa meta para um bom desempenho do nosso produto é ser praticamente indistinguível do leite de vaca em termos de formação de espuma, no preparo de alimentos, sorvetes ou qualquer outro subproduto que leve leite na receita. A diferença é que não envolvemos animais nesse processo”, acrescenta Falsetto.

Disponibilidade e preço

O leite sem vaca deve chegar ao mercado durante o verão norte-americano, ou seja, a partir do mês de junho. Inicialmente, o produto terá duas versões: uma integral e outra chamada “extracremosa” — projetada para ser usada pela indústria alimentícia, principalmente em fábricas de panificação.

Versões do leite sem vaca que devem chegar ao mercado a partir de junho nos EUA (Imagem: Reprodução/Betterland Foods)

Segundo seus idealizadores, os produtos devem ser mais caros do que o leite tradicional nos primeiros meses de comercialização, mas a tendência é que o preço se torne mais competitivo ao longo do tempo com o aumento da demanda e da simplificação do processo de produção em escala industrial.

“Você até pode usar os leites de aveia, de soja ou amêndoa no seu cereal, mas ao colocá-los no café, o sabor é completamente diferente. Com nosso produto, esse problema será coisa do passado, pois, além de não envolver animais em sua produção, você poderá ter espuma e cremosidade como se estivesse bebendo leite de vaca”, encerra o cofundador da Perfect Day Perumal Gandhi.

Podemos convoca o governo regional a “arregaçar as mangas” e comprar ações em empresas estratégicas para garantir suas raízes no território.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER