A Comissão de Agricultura, Pecuária, Pesca e Cooperativismo da Assembleia Legislativa vai solicitar audiência com o governador Eduardo Leite para discutir os prejuízos da indústria leiteira gaúcha com a adoção do Fator de Ajuste de Fruição (FAF), através dos decretos 56.116 e 56.117, de setembro do ano passado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
O FAF é uma sistemática de benefícios fiscais que incentiva o aumento de compras no Rio Grande do Sul

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Pesca e Cooperativismo da Assembleia Legislativa vai solicitar audiência com o governador Eduardo Leite para discutir os prejuízos da indústria leiteira gaúcha com a adoção do Fator de Ajuste de Fruição (FAF), através dos decretos 56.116 e 56.117, de setembro do ano passado.

A solicitação, também apoiada pela Comissão de Economia e pela Frente Parlamentar da Agropecuária Gaúcha, foi resultado da discussão do tema, durante o período dos Assuntos Gerais da reunião do Colegiado, realizada em formato híbrido (presencial e virtual), na manhã da quinta-feira, dia 9 de março.

O FAF é uma sistemática de benefícios fiscais que incentiva o aumento de compras no Rio Grande do Sul. Ele prevê que parte dos créditos presumidos de ICMS seja concedida às empresas de acordo com o comportamento de compra de cada estabelecimento, pontuando mais as que fizerem aquisições no Estado.

A reunião com o governador terá caráter de urgência, em razão dos prejuízos gerados ao setor industrial do Leite e sua consequência junto ao produtor rural. Ele sugeriu que também participem da audiência os secretários da Fazenda e Agricultura e Planejamento e o Chefe da Casa Civil do Governo.

O deputado Zé Nunes (PT), coordenador do GT do Leite, afirmou que o impacto dos decretos na indústria leiteira do RS é grande. Ele disse temer que o FAF promova mais migração da atividade para o estado de Santa Catarina. “Espero que o Governador se dê conta dos impactos nocivos para a economia gaúcha, o que pode acontecer se esta medida persistir neste formato”, argumentou.

Prejuízos

Representando o setor industrial e os produtores de leite, o presidente do Sindilat/RS, Guilherme Portella, mostrou os fatores que têm levado ao agravamento dos impactos danosos ao setor com a entrada em vigor das medidas fiscais. Ele explicou que a indústria láctea gaúcha é dependente de insumos produzidos em outros estados e salientou que a retirada de benefícios para competitividade, justamente neste item, com a adoção do FAF, impacta o setor como um todo.

Também expressaram sua contrariedade com a adoção do FAF, o secretário-executivo do Sindilat/RS, Darlan Palharini; Gervásio Plucinski, presidente da Unicafes estadual; Osmal Redil, da APIL e o vice-presidente da Fetag, Eugênio Zanetti.

Foram premiadas as mais produtivas vacas das categorias adulta e jovem para dois produtores de Carlos Barbosa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER