Impossível permanecer calado diante das declarações do ex-presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, em relação à situação da nossa agricultura, quando afirmou em uma visita à Rússia
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

venezuela47496 - A hipócrita esquerda latino-americana e a agricultura venezuelana - Por Werner Gutiérrez

Impossível permanecer calado diante das declarações do ex-presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, em relação à situação da nossa agricultura, quando afirmou em uma visita à Rússia “O que está acontecendo na Venezuela não é culpa de Maduro: a riqueza do petróleo a longo prazo terminou constituindo uma espécie de veneno para a sociedade venezuelana … eles se acostumaram a viver de coisas importadas.”

Em suas palavras, ele demonstra não apenas uma total ignorância do que aconteceu no setor agroalimentar venezuelano nas últimas duas décadas como consequência da aplicação do modelo econômico-agrícola do “socialismo do século XXI” pelo governo de Hugo Chávez e Nicolás Maduro. Tomarei como referência dois itens de especial importância na dieta dos venezuelanos, para desmantelar o falso argumento apresentado por Mujica.

“No campo venezuelano não há nada, não há uma cabeça de gado”, disse o ex-presidente uruguaio. Em 1937 a Venezuela possuía um rebanho bovino de 4.347.101. Setenta anos depois com a exploração petrolífera, em 2007, nosso rebanho alcançou 12.700.000 cabeças, chegando a produzir 430.000 toneladas de carne por ano, cobrindo praticamente todos os requisitos de nossa população.

Em contraste com a verdade disfarçada que Mujica pretende esboçar, é o fato de que hoje após a destruição causada pelo “Socialismo do século XXI”, o rebanho nacional mal chega a 9,5 milhões de cabeças e o país deve adquirir fora de nossas fronteiras 60% da demanda interna, se quiséssemos recuperar os 23 kg de consumo per capita de carne por ano, que hoje é de 5 kg.

As importações de carne uruguaia, feitas pelo governo venezuelano, que atingiram US $ 1.650 milhões anualmente, geraram benefícios significativos para a gestão de Mujica e Tabaré Vázquez. Da mesma forma, os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff do Brasil obtiveram lucros significativos com a exportação de carne para a Venezuela, negociações encobertas por reclamações que afirmam que entre 2007 e 2012, 100.000 touros foram faturados e nunca entraram em nosso país. Situação semelhante ocorreu com a importação de carne nicaraguense, sendo apontado o governo de Daniel Ortega de realizar uma triangulação de gado de terceiros países.

No leite, na década de 90, a Venezuela tinha um consumo per capita superior a 130 litros por ano, cobrindo essa demanda em 70%, com produção nacional. Já em 2008, após a chamada guerra de latifúndio por Hugo Chávez, o estado venezuelano apoderou-se de 5,5 milhões de hectares de terra e 50% da capacidade instalada para processar leite, mais de 65% do consumo interno era adquirido no mercado internacional, importando de “países amigos”. Apenas em leite em pó, entre 15.000 a 18.000 toneladas por mês.

O governo venezuelano negociava com empresas brasileiras a tonelada de leite em pó a US $ 5.800, enquanto o preço internacional era de US $ 1.590 por tonelada na época. Com o Uruguai, a compra de 44.000 toneladas de leite em pó em 2015 foi negociada a US $ 3.740 por Nicolás Maduro, quando o preço médio de venda estava abaixo de US $ 2.500 a tonelada. Situação semelhante ocorreu com as compras da Argentina sob o mandato de Cristina Fernández Kirchner e com a importação de leite UHT da Nicarágua.

Esse cenário de queda na produção de carne e leite é semelhante para todas as áreas da agricultura na Venezuela. Desde 2009, começam a ser notados os efeitos deletérios do modelo econômico-agrícola aplicado por Hugo Chávez e radicalizado por Nicolás Maduro. Entre 2009 e 2014, a queda per capita na atividade agrícola foi de 17%. Desde 2014, o declínio tem sido mais rápido, levando a níveis de produção de alimentos nas décadas de 1970 e 1980.

Desde a destruição do aparelho de produção agrícola venezuelano, o beneficiário foi a esquerda latino-americana hipócrita, hoje personalizada nas declarações de José Pepe Mujica. Em 1998, quando Hugo Chávez Frías chegou ao poder, as importações agroalimentares da Venezuela atingiram US $ 1.250 bilhões. 80% da demanda interna era coberta com produtos colhidos em nossos campos e processados nas modernas agroindústrias. Em 2011, importamos quase US $ 10 bilhões em alimentos. Hoje, somos capazes de fornecer apenas 20% do que é exigido por nossa população com produção nacional.

Se é verdade, Sr. Mujica que “Maduro não pode resolver o problema da comida”. A Venezuela pede uma mudança de direção, um modelo econômico-agrícola eficiente que apoie o agro produtor nacional privado que ainda está presente em nossos campos. Em dois anos iniciaríamos a recuperação de nossa agricultura e iniciaríamos o caminho em direção a uma nova Venezuela agroexportadora, afastando para sempre do nosso horizonte os falcões, próprios e estrangeiros, que se enriqueceram com a fome do meu povo.

Impactado pelas anomalias do mercado causadas pela pandemia e pelas consequentes mudanças na política federal, o ano passado foi um ano misto para as receitas das cooperativas leiteiras e dos seus membros em comparação com um ano anterior.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER