A quebra da produção brasileira de milho na safra atual (2020/21) e a forte alta nos preços no mercado interno levaram ao aumento das importações do cereal em 2021.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

A quebra da produção brasileira de milho na safra atual (2020/21) e a forte alta nos preços no mercado interno levaram ao aumento das importações do cereal em 2021.

Produção

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), considerando a primeira, segunda e terceira safras, está prevista uma produção de 86,65 milhões de toneladas na temporada atual.

Esse volume é 15,5% menor que o colhido na safra passada (2019/20), o equivalente a 15,94 milhões de toneladas a menos este ano.

O Brasil está colhendo a segunda safra, que sofreu prejuízos em função do atraso na semeadura e do clima adverso no primeiro semestre, e teve perdas acentuadas em regiões assoladas com as geadas ocorridas em julho.

Preços

As revisões para baixo nas estimativas de produção, a demanda interna aquecida e o câmbio em patamares altos deram sustentação às cotações no mercado brasileiro ao longo de 2021.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, a referência na região de Campinas-SP está em R$104,00 por saca de 60 quilos (10/8/21), uma alta de 33,3% no acumulado deste ano e de 84,1% na comparação com agosto do ano passado.

Veja a evolução dos preços do milho em Campinas-SP na figura 1.

Observe que as cotações chegaram a cair expressivamente em junho, com o início da colheita da segunda safra, mas os preços retomaram a firmeza em julho, com as geadas e as consequentes perdas nas lavouras.

Nos primeiros dias de agosto, com o clima pesando menos, os preços estiveram mais frouxos, mas ainda em patamares elevados. 

Figura 1. Preços do milho na região de Campinas-SP, em R$ por saca de 60 quilos.

 

Fonte: Scot Consultoria

Importações

De acordo com dados da Secretária de Comércio Exterior (Secex), de janeiro a julho, o Brasil importou 1,08 milhão de toneladas de milho em grão.

O volume aumentou 112,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os gastos com essas importações somaram US$216,29 milhões, um incremento de 176,5% em relação a igual período de 2020.

Considerando as despesas, 71% do milho teve como origem o Paraguai e 28% a Argentina. O restante veio principalmente dos Estados Unidos.

Tomando como base as cotações do milho importado em julho, o preço médio foi de US$258,13 por tonelada ou R$1.329,83 por tonelada, considerando a cotação média do dólar de R$5,1518 no último mês.

Em saca de 60 quilos, o preço médio do milho importado foi de R$79,79, sem considerar o frete.

Como a maior importação é do Paraguai, se considerarmos o frete rodoviário para o Sul/Centro-Sul do país, de R$150,00 a R$200,00 por tonelada, o preço posto no Brasil ficaria entre R$88,79 e R$91,79 por saca.

Para uma comparação com as cotações vigentes no mercado brasileiro, no Paraná, o preço médio do milho está em R$100,10 por saca de 60 quilos, em Santa Catarina a referência está em R$103,13 por saca, e no Rio Grande do Sul o preço médio está em R$97,33 por saca.

Expectativas

Para a temporada atual (2020/21), a Conab estima que o Brasil importará 2,30 milhões de toneladas, frente às 1,45 milhões de toneladas importadas no ciclo anterior.

Com relação aos preços, para o curto e médio prazos (agosto), o cenário é de cautela, diante das perdas e revisões para baixo na produção de milho de segunda safra no Brasil. O dólar voltando a subir também colabora com o viés de preços firmes para as commodities no mercado brasileiro.

Porém, com o avanço da colheita e o aumento da disponibilidade interna, se o comprador ficar retraído e o clima for mais favorável, existe espaço para recuos pontuais nas cotações, como verificado nos primeiros dias de agosto.

Outros pontos importantes que podem pontualmente tirar a sustentação do mercado são as importações em volumes maiores que os estimados e o clima melhor nos Estados Unidos, depois da falta de chuvas e calor em importantes regiões produtoras, que fez os preços do milho e da soja recuarem nos últimos dias no mercado norte-americano.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER