Multinacional francesa batizou sua versão de leite plant-based no Reino Unido com o mesmo nome da marca da startup chilena
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Multinacional francesa batizou sua versão de leite plant-based no Reino Unido com o mesmo nome da marca da startup chilena
Por Maria Luíza Filgueiras — São Paulo

 

O ano mal tinha começado e Matias Muchnick, o chileno que criou a foodtech NotCo, começou a receber uma série de mensagens de amigos, funcionários, concorrentes e investidores. Era uma mistura de congratulações e indignação. “Parabéns! Davi está ensinando algumas lições ao Golias”, “isso é sério?”, “velha guarda sendo velha guarda”, e o que foi um de seus comentários preferidos: “se fossem vocês fazendo isso, o FBI estaria na sua porta”.

A gigante de alimentos Danone havia acabado de lançar no mercado britânico sua prometida linha de leite vegano, por meio da marca Alpro. O nome do produto: NotMilk (no design, uma gota de leite no lugar da letra i). A NotCo, fundada em 2015 e tendo o NotMilk como seu primeiro produto comercializável, foi pega de surpresa.

A Danone, líder mundial em alimentos, anunciou também produtos para marcas Silk e So Delicious, batizados de NextMilk e Wondermilk — o trio feito de aveia, amêndoas e soja — respondendo à crescente demanda por alternativas lácteas.

Muchnick escolheu o nome da empresa e dos produtos a contragosto dos marqueteiros e de investidores – ele simplesmente achava que ia funcionar, e o nome acabou virando uma das grandes sacadas de marketing da foodtech. Um economista, empreendedor, com marketing na veia, Muchnick tornou o que poderia ser um pesadelo para uma startup diante de uma gigante global capitalizada numa nova sacada publicitária.

No início de fevereiro, a NotCo criou um site e uma campanha para ajudar o concorrente a ter um bom nome para seu leite e não ter que copiar o da startup. A proposta era levantar 100 nomes, vindos de sugestões de consumidores. Já são mais de 1,2 mil, alguns hilários e geniais como Danon’t, Milkn’t, Milk Enough, Wannabe Milk e Millenial Milk.

A campanha tem toque do brasileiro Kiko Borger, o diretor criativo global da NotCo, que já passou por agências como Wunderman Thompson e Loducca.

No LinkedIn, o fundador da Glebe Farm, Philip Rayner, comentou uma batalha de marcas que teve com a gigante Oatly, e aproveitou o ensejo para avisar à NotCo que a Oatly acaba de registrar no Reino Unido a propriedade intelectual da marca The original Not Milk. Glebe lançou o primeiro leite de aveia naquele mercado e a concorrente questionou o nome PureOaty Oatmilk.

Publicamente a Danone não comentou o episódio ou a marca. Há uma semana, a NotCo fechou uma joint venture com outra gigante de alimentos, a Kraft Heinz, e vai aplicar sua tecnologia e inteligência artificial para fazer versões veganas de marcas icônicas do grupo americano.

 

 

 

 

 

Mais um mês se passou e outra nova peça de política foi colocada na frente dos agricultores para digerir.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER