Carlos Agote, presidente do Comitê de Acionistas da empresa leiteira, falou à APERTURA sobre os planos para 2022 e a "guerra" contra a inflação.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A empresa de laticínios Mastellone Hnos. enfrenta uma série de desafios que, por um lado, estão ligados a mudanças nos hábitos de consumo, mas também a economia do país os coloca nas cordas em termos de gestão de preços de venda. Carlos Agote, Presidente do Comitê de Acionistas, fala sobre isso e sobre os planos para 2022.

Qual é a sua avaliação de 2021?

Apesar da pandemia, em 2021 conseguimos cumprir o calendário de lançamento planejado, com mais de 65 novos produtos e, além disso, continuar a fornecer os 70.000 pontos de venda diariamente.

Também fomos capazes de reestruturar com sucesso nossa dívida financeira de longo prazo, substituindo-a por uma estrutura bimonetária mais pluralista e participativa, menos onerosa do que a anterior. Isto nos permite focar no crescimento de nossos negócios nos próximos anos.

Qual foi o impacto da inflação sobre você?

Como refletido nas últimas demonstrações financeiras, nossas margens de lucro foram consideravelmente espremidas devido à incapacidade de repassar o aumento dos custos de produção para os preços de venda. Ao contrário do que tem sido noticiado em alguns meios de comunicação, a Mastellone Hnos. absorve a inflação na cadeia de valor, ela não a causa.

Embora a forte queda no poder de compra dos consumidores, juntamente com os programas “Precios Cuidados”, limitem os aumentos necessários nos preços de venda no mercado doméstico, os preços internacionais são firmes, em linha com outras commodities alimentares. Nossa empresa, o principal exportador de leite em pó do país, destina 30% de seu consumo de leite a este mercado.

Quais são seus planos para 2022?

Mastellone Hnos. tenta sempre responder às necessidades e exigências de seus consumidores e clientes. Isto explica nossa estratégia de segmentação de mercado e o constante lançamento de produtos com diferentes formulações (leites funcionais, segmentação do leite por teor de gordura, cremes para cozinhar e bater, manteiga leve, entre outros).

Até 2022, planejamos lançar vários novos produtos em nossas principais linhas de produtos saudáveis.

O que você prevê para seu setor?

Os preços atuais incentivam os produtores de leite a investir para produzir mais leite. Se eles forem mantidos no futuro, além de aumentar e alimentar melhor seu rebanho, os produtores certamente serão incentivados a investir em tecnologia, o que lhes permitirá aumentar a produção por vaca e uma maior oferta de leite a médio prazo.

Estamos trabalhando ativamente para este cenário e temos um programa para apoiar os produtores que desejam investir para aumentar sua produção.

No plano interno, não esperamos que o mercado de consumo de massa retome significativamente este ano. No mercado internacional de laticínios, entretanto, esperamos preços sustentados e demanda crescente, pelo menos até que o conflito Rússia-Ucrânia tenha começado. Como uma indústria, devemos visar o mercado internacional, se conseguirmos aumentar o volume da produção nacional.

Quais são os principais desafios?

No nível da produção primária, a atividade leiteira compete principalmente com a agricultura, portanto, sua renda deve ser comparável, ou tenderá a diminuir. Se os preços do leite são sustentáveis e previsíveis ao longo do tempo, é essencial que os produtores sejam incentivados a investir em tecnologia, conforto animal, saúde, nutrição, meio ambiente e escala. Para isso, o acesso ao crédito, ou programas como o que lançamos no ano passado, é necessário.

Outro desafio é atrair o governo para desempenhar um papel ativo em questões como a melhoria das estradas rurais, a canalização da drenagem da água dos campos, programas e controles de saúde animal, comunicações, incentivos fiscais e ações dissuasivas para incorporar voluntariamente a informalidade no circuito formal da economia.

É importante esclarecer que, ao contrário da crença popular, a indústria de laticínios na Argentina é muito fragmentada. Nossa empresa, por exemplo, que muitas vezes é rotulada erroneamente como dominante, recebe apenas 12% da produção nacional. Enquanto as empresas orientadas à exportação (com baixos níveis de pessoal, um pequeno número de SKUs e preços internacionais sustentados) têm um bom negócio, aquelas empresas que concentram suas receitas principalmente no mercado doméstico (com custos de processamento e distribuição mais altos) têm dificuldades e poucas possibilidades de transformar seu modelo de negócios rapidamente. Encontrar fórmulas que conciliem ou equilibrem ambos os modelos em benefício de um laticínio moderno, tecnificado, em crescimento e lucrativo é um desafio para este ano.

O texto original deste artigo foi publicado na edição 339 da revista Apertura.

 

Traduzido com DeepL

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER