Así es el camino a recorrer por una empresa para ser medioambientalmente neutra y poder certificarlo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
VACA OLIENDO UN VASO DE LECHE. - AFP

Embora as empresas tenham conseguido certificar que são neutras em carbono na Espanha desde 2005, é nos últimos anos, especialmente desde 2020, que o número de empresas interessadas em dar esse passo aumentou exponencialmente.

Aenor é o órgão responsável pela emissão deste selo, uma vez que os gases de efeito estufa gerados pela empresa foram calculados. Atualmente, como confirma o diretor de sustentabilidade da organização, José Magro, as emissões estão caindo e há cada vez mais projetos de compensação. Mas como alcançar esse status? Qual é o caminho a seguir?

Uma das empresas que conseguiu este selo é a Capsa Food, que produz laticínios.

Estefanía Iglesias González, diretora de sustentabilidade da empresa, explica que esta certificação é válida para as instalações fabris da empresa e, portanto, tudo o que é produzido ali, mas que o objetivo é estendê-la aos fornecedores (como as fazendas leiteiras) e ao resto da cadeia produtiva, como a distribuição. “Não pretendemos ficar somente em fábricas diretas ou em nossos reservatórios, mas estamos trabalhando com nosso principal parceiro, as cooperativas, para nos tornarmos neutros num futuro próximo”.

Entretanto, ele reconhece que, para que o projeto seja estendido a toda a cadeia de produção (incluindo logística e transporte), ainda há um longo caminho a percorrer, pois “ainda há muita tecnologia a ser desenvolvida e o mercado não está pronto para enfrentar este desafio”.

Como o desafio é alcançado

Para alcançar emissões zero, o primeiro passo é medir a pegada de carbono, sabendo quais são as emissões diretas. “Não é uma metodologia simples”, adverte Iglesias González. Embora existam bancos de dados para orientação, o chefe de sustentabilidade da empresa asturiana recomenda trabalhar duro na medição de cada caso e fazê-lo de acordo com o Protocolo GHG para emissões de carbono.

“Reduzimos o consumo de eletricidade, gás e água, realizamos planos de redução de resíduos, fizemos mudanças nas instalações para tecnologias mais eficientes, mudanças produtivas através de programas de conscientização e sensibilização com o pessoal…”, explica ela. Todas essas medidas “implicam em investimentos muito importantes”, acrescenta ele. No caso da Capsa, cerca de 12 milhões de euros são alocados a cada ano para este tipo de ação.

Apesar de todas essas melhorias, a Iglesias reconhece que, para atingir emissões zero, é necessário também compensar aquelas que não foram eliminadas, e para isso é necessário estabelecer projetos em outros lugares, especialmente em países em desenvolvimento.

“Estes lugares também precisam fazer uma mudança tecnológica e de combustível para reduzir suas emissões, porque este é um problema global”, diz Iglesias Fernández. “Sentimos que é nossa responsabilidade trabalhar em nossas instalações, mas também é importante conscientizar e ajudar outras empresas e países a incorporar essas estratégias de descarbonização”, acrescenta ele.

A tendência é que “o cálculo das remoções também é feito em nível local em direção aos chamados sumidouros de carbono, que no caso europeu serão, fundamentalmente, os setores florestal e agrícola”, revela Magro.

Resultados a longo prazo
Trabalho duro que não dá frutos imediatos. Quase cinco anos se passaram entre o plano estratégico da Capsa para se tornar zero emissões e os primeiros resultados “significativos” a serem vistos. Neste tempo, de acordo com dados fornecidos pela empresa, ela conseguiu se tornar um desperdício zero, reduzindo o consumo de água em 20% e o consumo de gás em 18%, entre outras coisas. “Parece simples, mas implica em importantes mudanças tecnológicas”, assegura ele. Além disso, ele salienta que “as empresas também têm que adaptar isto aos resultados positivos”.

“Se você não fizer esta mudança, você estará fora, ou por causa de sua reputação, ou porque você não é competitivo, ou porque o consumidor não vai comprar de você”.
Estefanía Iglesias González , Diretora de Sustentabilidade da Capsa Food

Uma mudança total que também deixa sua marca na conta de lucros e perdas. “Há investimentos que foram amortizados em um ano, enquanto outros levam seis ou sete”, responde Iglesias. “Depende de muitos fatores, tais como o preço da energia”, diz ele.

Com pouco mais de mil trabalhadores e um volume de negócios de 738 milhões de euros, “temos que ir para projetos que paguem rapidamente”, admite o porta-voz da Capsa Food acima mencionado. “Somos uma empresa de baixa margem e os investimentos são feitos com um retorno de investimento não superior a quatro anos”, explica ela.

Entretanto, para este gerente, a coisa mais difícil de se conseguir nesta certificação é a conscientização de todas as partes interessadas, embora uma vez alcançada, “ela nos permita continuar a progredir”. Ela também nos assegura que é um trabalho duro e constante, pois exige que estejamos sempre procurando materiais, caminhos, tecnologias e estratégias de melhoria.

Trabalhando juntos

O caminho para alcançar as emissões zero não é simples, envolve investimentos e também uma mudança na mentalidade de todos os funcionários. Trabalho abrangente com os 1.068 funcionários da Capsa Food para minimizar a geração de resíduos e, quando estes são produzidos, para separá-los na fonte. Além disso, foram também instaladas ilhas de reciclagem e sistemas de recuperação de energia.

Estes planos estão sempre em andamento. Agora, por exemplo, a empresa está começando a instalar painéis fotovoltaicos ou iluminação LED. “Não somos pioneiros em muitas coisas, recebemos muitos conselhos de empresas especializadas nestas questões e tentamos fazer estes tipos de investimentos quando eles estão maduros e a um custo razoável. Às vezes fazer isso mais cedo não vai ser melhor”, explica ele.

No entanto, Iglesias é clara: “Você não pode olhar para o outro lado, é a única maneira de fazer negócios no futuro”, diz ela. “Se você não fizer esta mudança, você estará fora, ou por causa de sua reputação, ou porque você não é competitivo, ou porque o consumidor não vai comprar de você”, prevê ela.

Traduzido com – www.DeepL.com

O setor de pecuária leiteira no Brasil é de grande importância econômica e social para o país. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER