O mercado do leite caiu 1,1 mil milhões de dólares em 2018. Em 2017, as vendas tinham atingido os 14,7 mil milhões. Os principais responsáveis são as alternativas mais saudáveis como o leite de noz, soja, aveia e arroz.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O mercado do leite caiu 1,1 mil milhões de dólares em 2018. Em 2017, as vendas tinham atingido os 14,7 mil milhões. Os principais responsáveis são as alternativas mais saudáveis como o leite de noz, soja, aveia e arroz.

aviso vem da The Dairy Farmers of America (DFA), uma cooperativa nacional de comercialização de leite nos Estados Unidos. A organização dá conta de uma queda de 1,1 mil milhões de dólares na venda de leite nos EUA.

O presidente e CEO da cooperativa, Rick Smith, realçou que este tem sido um ano “desafiante” para os produtores de leite americanos. A DFA justifica esta queda nas vendas pelos baixos preços do leite. No entanto, especialistas da indústria destacam que o aumento do consumo de bens sucedâneos à base de plantas.

Este mercado tem crescido de forma galopante nos últimos anos. Em 2017, estava avaliado em 11,9 mil milhões de dólares e analistas preveem que, daqui a cinco anos, excederá os 34 mil milhões de dólares. Este é valor mais de duas vezes superior ao valor do mercado do leite.

Fast Company sugere que o crescimento deste setor inspirou ao “nascimento” de várias startups que respondem à elevada procura de alimentos saudáveis e ecológicos. É dado o exemplo da Califia Farms, que conseguiu um financiamento de 115 milhões de dólares e que planeia produzir uma linha deste tipo de produtos.

A demanda dos consumidores tem sido grande e são muitas as empresas de leite convencional que já se adaptam às necessidades do público. Outras continuam numa batalha legal para que os produtos baseados em plantas não possam usar a palavra “leite” na embalagem. Os produtores tradicionais de leite dizem que estas novas marcas estão a usar a sua linguagem de marketing e a confundir os compradores.

Enquanto alguns estudos realçam os possíveis efeitos negativos no consumo do leite, outros contrariam estas indicações. Um estudo, de setembro de 2018, defende que o consumo de laticínios é bom para o coração.

A inflação de dois dígitos não livrou nem o leite das crianças que, dependendo do tipo, passa de R$ 10 nos supermercados do Rio.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER