Que o ano está acabando, todo mundo sabe. 2022 já está batendo na porta e muita gente não vê a hora do ano novo chegar com a esperança de que as coisas melhorem e de que os problemas se resolvam.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: MilkPoint

Claro que não vai ser como um feitiço em que, à meia-noite do dia 31, os problemas sumirão num passe de mágica. Mas, a cada novo ciclo, é um momento de olharmos para trás, ver o que o ano nos trouxe e começar o próximo com a esperança de dias melhores acesa no coração.

O ano de 2021 foi desafiador e trouxe muitas lições para todos,principalmente no setor lácteo não foi diferente. Inovações, descobertas, recordes e obstáculos estiveram no caminho dos participantes da cadeia leiteira este ano. Vamos relembrar momentos marcantes durante este ano para o setor?

Fenômenos climáticos

O ano de 2021 começou trazendo a La Ñina na bagagem, que se destacou como a terceira mais intensa nos últimos 20 anos. O fenômeno, que causa resfriamento das águas no pacífico, prometia pico em janeiro e desaceleração dos efeitos após março ou abril.

De fato, janeiro trouxe alterações climáticas significativas, mas seus efeitos não diminuíram intensidade com o passar dos meses. Mesmo com as previsões iniciais, que apontavam baixa possibilidade de geadas, várias regiões foram atingidas.

A falta de chuvasfoi outro problema presente na vida do produtor de leite em 2021, especialmente na região Sul do país e causou atrasos em plantios e colheitas dos grãos para alimentação animal.

E tem mais por aí! Por mais que pareça propaganda de festival, o fenômeno La Ñina foi confirmado para 2022. A previsão é que o fenômeno seja de fraca incidência e se estenda até fevereiro. É bom se programar, né?!

Preço da arroba batendo recorde histórico

Para quem não tem muita familiaridade com todo o ciclo da produção de leite, já deve estar se perguntando: “Afinal, o que a arroba do boi tem a ver com isso?”.  Mas é fato que asoscilações na arroba do boi influenciam a produção e o mercado lácteo.

O melhor indicador para explicarmos isso é a relação de troca entre o leite e a arroba do boi. Este número nos diz quantos litros de leite são necessários para ‘comprar’ uma arroba de boi – quanto maior o valor, mais o leite estará desvalorizado em relação ao boi.

Vale destacar que, em março de 2021, o indicador chegou ao valor recorde de 160 litros por arroba e, com ele, um grande incentivo em 2021 para o abate de vacas.Este foi um dos motivos para diminuição da captação de leite vista ao longo do ano.

E falando em recordes… o custo de produção do leite em 2021

O ano começou trazendo o que o produtor queria que tivesse ficado em 2020 (ou, melhor, que nunca aparecesse): alta nos custos de produção. Se o ano anterior já foi ruim, lembramos daquele famoso ditado: nada é tão ruim que não possa piorar…

Logo em abril/2021, produzir leite estava 31,4% mais caro do que no ano anterior (informação referente ao acumulado dos últimos 12 meses a partir de abril). O Índice de Custos de Produção de Leite (ICP), apresentou seu mais alto patamar desde o início da série histórica, em 2007.

Embora os custos de produção englobem todas os insumos, como medicamentos, energia elétrica, gastos com mão de obra, combustíveis, entre outros, os custos com alimentação foram os que mais fizeram o bolso do produtor chorar.

A elevação no preço dos grãos (milho e soja), devido principalmente às alterações climáticas (que já conversamos lá em cima) levou a uma relevante alta dos custos. A taxa de câmbiotambém trouxe impactos, sensibilizando o preço de fertilizantes e outros insumos importados. Alguns dados apontam alta de quase 80% no valor da ureia, por exemplo. De acordo com o ICP Leite (Embrapa), a alta acumulada dos custos, até outubro de 2021, somaram 23%.

Se o produtor de leite pudesse pedir um presente para o Papai Noel, com certeza seria a diminuição dos custos de produção. Mas estudar o negócio, observar onde há gargalos para diminuição de gastos e investir em assistência técnica e gerencial talvez sejam alternativas mais realistas, já que o Papai Noel não existe… (mas shiu! Não conte para as crianças!)

Novidades no setor lácteo em 2021

Apesar das dificuldades trazidas pelos anos, nem tudo foi tristeza. A Fazenda Colorado, maior produtora de leite do Brasil, certamente teve muito a comemorar: eles produziram 100 mil kg de leite em um único dia!A conquista é um grande marco na história da pecuária leiteira do país e serve como exemplo para muitos produtores.

Outra novidade do ano foram os olhos voltados para a sustentabilidadena produção de aliemntos, sobretudo depois da COP26 – Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima de 2021. Mas aqui no Brasil, já tem produtores trabalhando com este conceito há muito tempo e, neste ano, foi lançado o primeiro leite carbono neutro do país.

Além de garantir a neutralidade no balanço de carbono, o Leite NoCarbon possui outros dois pilares:bem-estar animal e produção orgânica. Provavelmente é o único hoje no mundo com esse tripé de atributos e praticamente deu um pontapé inicial para o produtor perceber a necessidade de olhar com outros olhos para este assunto.

Importação e exportação de lácteos 2021

Não tem conversa: o produtor sempre é crítico e rígido quando o assunto é importação de lácteos e, este ano, tivemos um desincentivo muito grande para as importações. Em março, os preços internacionais tiveram um boom, desestimulando a entrada de leite no país. Embora tenha ocorrido algumas variações de lá para cá, desde agosto foi só alta atrás de alta nos preços dos lácteos lá fora.

O combo “dólar alto + preços do barril de petróleo lá em cima” impactaram a competitividade de preços internacionais. Os países petrolíferos, como a Argélia por exemplo, acabam importando mais produtos lácteos e o principal fornecedor para este país é o Mercosul – que também é o principal fornecedor para o Brasil. Resumindo: Uruguai e Argentina mandaram leite para a Argélia e não sobrou muita coisa para nós. Além disso, os altos preços do mercado exterior desestimularam a importação na maior parte do ano, como mencionado anteriormente.

Por outro lado, com a alta nos preços lá fora e o Real desvalorizado aqui, tivemos uma boa janela deexportação, que durou – e ainda vem durando – alguns meses. Assim, tivemos outro marco histórico no setor neste ano: enviamos leite para a China!

Após 20 anos, o país recebeu, em novembro, uma carga de produtos lácteos brasileiros. A carga exportada incluiu leite em pó integral, leite em pó desnatado e leite em pó zero lactose. Esta negociação pode começar a abrir as portas de um dos maiores mercados consumidores de lácteos do planeta. Seria um sonho, não é mesmo?

Dados sobre os principais indicadores para a cadeia produtiva do leite como preços do leite no mercado brasileiro e internacional, relação de troca ao produtor, balança comercial brasileira de leite e derivados.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER