Com soja, milho e trigo 30, 55 e 60% mais caros do que há um ano, a Agafac, a Associação Galega de Fabricantes de Alimentos Compostos para Animais, adverte para o possível encerramento de muitas explorações galegas se não conseguirem passar o custo crescente das matérias-primas para o próximo elo da cadeia alimentar.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
A soja, o milho e o trigo custavam agora 30, 55 e 60% mais do que há um ano.

A Associação Galega de Fabricantes de Alimentos Compostos para Animais (Agafac) adverte que o aumento geral dos custos de produção, matérias-primas e bens intermédios e fornecimentos essenciais tais como electricidade, gás ou plásticos começa a ser “insustentável” para o sector a tal ponto que algumas explorações pecuárias já fecharam e outras serão forçadas a fazê-lo se a tendência ascendente se mantiver.

Face a uma situação sem precedentes, Agafac expressa mais uma vez o seu “apoio incondicional” aos agricultores face a uma escalada que parece não ter fim. “Se os produtores de carne, leite e ovos não virem uma melhoria no preço dos seus produtos, em pouco tempo uma parte da indústria será obrigada a fechar”, lamenta o director da Agafac, Bruno Beade, que afirma que a única forma de sobreviver “será passar o aumento dos custos para o próximo elo da cadeia alimentar”.

“Estamos conscientes da dificuldade dos criadores de gado em repercutir o aumento dos seus custos e os baixos preços que normalmente recebem pelos seus produtos com uma margem de lucro baixa no custo total de produção”, explica o director da Associação Galega de Fabricantes de Alimentos Compostos, que exige uma “remuneração justa” para que os aumentos de custos das explorações pecuárias possam ser repercutidos no elo seguinte da cadeia de valor dos alimentos, em conformidade com as regras lógicas do mercado e a Lei da Cadeia Alimentar.

DEMONSTRAÇÃO EM LUGO

A este respeito, os vencedores associados à Agromuralla irão às ruas para se manifestarem na quinta-feira 4, em Lugo, para exigir um preço mínimo para o leite para cobrir os custos de produção. A associação pede à população, com ou sem ligações às zonas rurais, que se mobilize em defesa de “preços justos para os produtores de leite que permitam a sobrevivência das explorações e a manutenção da vida e da actividade económica nas zonas rurais”.

MILHO E TRIGO, 55 E 60% MAIS CARO

Uma situação internacional e nacional muito adversa – com os preços da electricidade também a disparar – tem sufocado o sector durante meses e os aumentos dos cereais e das oleaginosas levaram a um aumento do preço dos alimentos compostos para animais. Assim, desde Agosto de 2020, o preço das principais matérias-primas utilizadas para produzir concentrados na Galiza tem continuado a aumentar.

A entrada de fundos de investimento nas bolsas alimentares, uma revisão em baixa dos stocks mundiais, uma menor produção nos Estados Unidos, Brasil e Roménia, e o aumento da procura e a compra de matérias-primas pela China são as principais causas do aumento dos preços das matérias-primas, uma situação impossível de controlar pelo sector.

Assim, a cadeia agro-alimentar está a sofrer aumentos de 100 euros/tonelada no caso do milho (um aumento de mais de 55% no último ano), 114 euros/tonelada para o trigo (um aumento de 60%) e quase 100 euros/tonelada para a soja (quase 30% mais). A farinha de soja, que é essencial para a alimentação de frangos e bovinos leiteiros – e que tem de ser importada na sua totalidade – recebe mais de 400 euros por tonelada quando há um ano era de cerca de 320 euros.

Estas três matérias-primas, milho, trigo e soja, determinam a tendência para o resto, pelo que a situação é, se possível, ainda mais preocupante, e a evolução do preço de outros produtos importantes como a cevada – que duplicou no último ano – a colza, girassol ou manteiga – 95% mais cara do que em 2020 – não dá qualquer motivo para optimismo porque, embora a produção mundial de cereais possa fechar este ano com números recorde, as previsões falam de um aumento da procura de 2%, o que significa que a pressão sobre os preços continuará, de acordo com o Agafac.

Traducción: DeepL

Em novembro, o preço do leite registrou nova queda em Minas Gerais.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER