Um levantamento divulgado nesta segunda-feira, 29, apontou que a alimentação do rebanho representa a maior parte dos custos para a produção de leite em Aracaju e Nossa Senhora da Glória.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Um levantamento divulgado nesta segunda-feira, 29, apontou que a alimentação do rebanho representa a maior parte dos custos para a produção de leite em Aracaju e Nossa Senhora da Glória. O assunto foi discutido na sede da Federação de Agricultura e Pecuária de Sergipe (Faese) com a presença de produtores de Sergipe.

Ivan Sobral revela que estudo auxilia produtores de leite

De acordo com o presidente da Faese, Ivan Sobral, o estudo vai auxiliar os produtos rurais a avaliarem a rentabilidade dos seus negócios. “Muitos produtores reclamam do preço pelo qual o leite é vendido, nas não sabem exatamente o seu custo de produção. Então, fizemos esses estudos para que eles entendam o valor de custo e o valor pelo qual estão vendendo, e a partir daí, possam gerenciar suas propriedades e avaliar se os negócios são rentáveis ou não”, explica.

O levantamento realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Estado de Sergipe (CNA) em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA-ESALQ) e a Faese apontou que em Aracaju, o preço do litro do leite é em média R$ 1,30 por litro, sendo os gastos com silagem e concentrado (alimentação), além da mão de obra, os maiores gargalos. Em Glória, conforme o levantamento, o preço do leite é de R$ 1,15 por litro e os custos com alimentação também os maiores obstáculos.

“Avaliamos que a depender da região, os custos têm uma variação. Tem região, pro exemplo, que produz a própria forragem, tornando os custos mais baratos. Outras regiões têm que comprar forragem, fazendo com que o preço do leite fique mais caro”, completa Ivan.

Marcelo Barreto diz que muitos produtores ainda não conhecem o próprio custo de produção

Marcelo Barreto, produtor de Nossa Senhora da Glória, revela que o levantamento auxilia na tomada de decisões que levam à redução de gastos e à identificação da margem de lucro. “Muitos trabalham e não dão conta de ver sua margem de lucro. Então, um evento como esse acende a ideia de que o produtor deve ter o hábito de entender seu negócio. É comum os produtores reclamaram que o preço do leite baixou, mas se você questionar, eles não sabem dizer o quanto gastaram para produzir. Com esse levantamento, o produtor entende onde pode reduzir desperdício e tornar o seu negócio eficiente”, opina.

Protocolo Sergipe x Alagoas

O presidente da Faese aproveitou a presença dos produtos para explicar o protocolo assinado entre Bahia e Alagoas. De acordo com ele, diferente do que circulou em redes sociais, o protocolo não prevê a isenção de ICMS, e sim, a suspensão. “O leite in natura vai adentrar em Sergipe com a suspensão do ICMS, será processado nos laticínios e voltará para o mercado alagoano em até 90 dias como forma de produto. Essa medida é legal e Sergipe só tem a ganhar porque o leite entra com a suspensão do ICMS, mas no retorno a Alagoas, gera tributação para o nosso estado, além de emprego e renda, pois quanto mais leite a ser processado nos laticínios, maior a demanda por mão de obra”, detalha Ivan Sobral.

Tecnologia no campo

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER