Conforme o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária (Ifag) em 2020, a produção goiana representou 9% da produção total nacional
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
 (Foto: Getty Images)

Conforme o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária (Ifag) em 2020, a produção goiana representou 9% da produção total nacional

Segundo o Censo Agropecuário, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2017 havia 71.300 propriedades rurais com pecuária leiteira em Goiás. Hoje, a estimativa é que entre 55 mil e 60 mil ainda entreguem leite, segundo o diretor Executivo do Instituto para Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), Edson Novaes.

Conforme o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária (Ifag) em 2020, a produção goiana representou 9% da produção total nacional. Este volume posicionou Goiás como o quinto colocado no ranking nacional. No entanto, o aumento dos custos de produção têm limitado os investimentos na atividade, o que preocupa os produtores.

“Já tive três funcionários e tirava 800 litros de leite por dia. Hoje trabalho sozinho e a produção caiu para 150 litros diários. Com a desvalorização do leite e alto custo dos insumos para a produção, muitos estão abandonando a atividade. Isso tem gerado desemprego na categoria e deixado de gerar renda nos comércios locais”, afirma produtor de leite de Aragoiânia, Antônio Teixeira da Silva.

O presidente da Comissão de Pecuária Leiteira da Federação da Agricultura de Goiás (Faeg), Vinícius Corrêa, afirma que com a baixa rentabilidade muitos produtores que precisam investir fazem as contas e percebem que terão mais retorno arrendando as terras, sem precisarem se endividar e até mesmo trabalhar.

Na última quarta-feira, 23, o deputado Amauri Ribeiro (Patriota) protocolou na Assembleia Legislativa o pedido de abertura da CPI do Leite, para investigar um suposto “cartel” de leite em Goiás. O parlamentar acusa a indústria de “manipular o preço” do produto. “Os laticínios se sentam em uma mesa redonda e ali decidem, os grandes laticínios, decidem o preço que vão pagar no nosso produto e o prejuízo que vão dar ao produtor de leite”, disse o deputado.

A preocupação com a falta de leite em pó nos Estados Unidos está crescendo e começa a ter sérias conseqüências, incluindo a hospitalização de quatro

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER