O aumento das principais commodities agrícolas utilizadas na indústria de alimentos variou de 20% a 100%, afirma associação
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Por Raquel Brandão, Valor — São Paulo

 


De abril de 2020 a abril de 2021, o aumento das principais commodities agrícolas utilizadas na indústria de alimentos variou de 20% a 100%, afirma a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia). Esse avanço já começa se refletir em preços mais elevados ao consumidor final.

Um levantamento feito pela associação mostra que insumos como milho, soja e arroz subiram 84%, 79% e 59%, respectivamente, nesse período. O trigo e o leite tiveram alta de 37%, o café robusta subiu 36%, e o açúcar ficou 40% mais caro.

A menor variação foi a do cacau, de 20% e, a maior, a do óleo de soja, de 100%. Em abril, o índice de commodities agrícolas da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) foi 30,8% superior ao do mesmo mês de 2020, maior patamar deste 2014.

O presidente da Abia, João Dornellas, atribui parte do aumento dos preços das commodities e dos insumos utilizados pela indústria à alta acumulada de 17,55% da taxa de câmbio em 2021, na comparação com o mesmo período de 2020.

Outro fator que contribui, diz ele, é o cenário de expansão da demanda mundial por alimentos, que tem forte correlação com a evolução do PIB mundial, que deve crescer 4,4% segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). No entanto, ele destaca que as exportações, embora crescentes e em momento de ganho de receitas, não estão prejudicando a oferta de alimentos industrializado no mercado interno, que ainda recebe 72% da produção total.

Os custos das indústrias de alimentos também têm sido pressionados pelos efeitos da pandemia da covid-19, que aumentou a demanda por embalagens, por exemplo, além de ter exigido mais adaptações da produção.

Matérias-primas e embalagens respondem por 65% dos custos de produção dos alimentos industrializados. Os preços de resinas plásticas continuam crescentes, e, no caso da folha de flandres, além da restrição da produção interna, os preços acumulam alta superior a 60% nos últimos seis meses, o que tem gerado forte impacto.

Embora não especifique o tamanho do salto, a Abia cita também o preço do óleo de palma, importante insumo utilizado na produção de alimentos como pães, bolos, biscoitos, chocolates, margarinas, por exemplo. O óleo de palma é também a principal matéria-prima utilizada na substituição de gorduras trans.

A Abia estima que o custo adicional de produção causado pela crise sanitária foi de 4,8% em 2020. O impacto para o preço final dos alimentos industrializados é de 2,5%, diz a associação.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER