Após duas décadas sem exportar nenhum tipo de leite para a China, o Brasil enviou um lote experimental com vários tipos de leite em pó ao país asiático, no começo deste mês.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: max global marketing

Após duas décadas sem exportar nenhum tipo de leite para a China, o Brasil enviou um lote experimental com vários tipos de leite em pó ao país asiático, no começo deste mês. O leite foi negociado pela Central Cooperativa Gaúcha Ltda (CCGL), de Cruz Alta (RS), que tem cerca de 3.500 cooperados, e pode representar a reabertura do mercado chinês para o produto nacional.

Caio Viana, presidente da CCGL, contou que esse primeiro envio foi uma pequena amostra, de cerca de 40 quilos. Foram enviados leite em pó integral, desnatado, semidesnatado e zero lactose. A ideia é que abra caminhos para exportações de verdade. Segundo o executivo, já existe negociação para o embarque de dois contêineres de leite para os próximos meses.

A CCGL é um dos grupos que obtiveram habilitação para exportar leite para a China, a partir de 2019. Outros 33 laticínios brasileiros também têm o aval, mas as exportações não ocorriam, segundo a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), porque a China tem elevados padrões de qualidade para o produto e nào havia fiscalização suficiente para finalizar as negociações entre os dois países.

Viana contou que para conseguir enviar o lote a CCGL precisou cumprir burocracias e adequar medidas sanitárias, como estabelecer um sistema de rastreabilidade de ponta a ponta da cadeia leiteira (mostrar todo o trajeto do produto, da fazenda ao processamento da indústria) e identificar individualmente cada produto em documentos de exportação.

“Agora, esperamos que esse primeiro lote seja apenas o que vai abrir as portas do imenso mercado asiático para o setor de leite no Brasil”, disse.

De acordo com ele, além das questões sanitárias, outro entrave para a exportação é a tributação: para exportar leite para a China, o Brasil paga 10% de tarifa, enquanto a Nova Zelândia, que é o país que mais vende leite aos chineses, paga 4% e, a partir de 2022, terá tarifa zero para inserir o seu produto no mercado chinês.

Geraldo Borges, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), explicou que, ainda que o lote exportado a China pela CCGL tenha sido pequeno e que as questões tributárias ainda precisem ser trabalhadas em acordos bilaterais, trata-se de uma negociação que tem um simbolismo positivo para a cadeia do leite brasileiro.

“Com esse negócio, certamente a China comprovará a qualidade e a segurança do nosso leite, e isso pode significar novos embarques e a aproximação com novos mercados”, disse.

Desde 2019, as entidades representativas da pecuária leiteira (Abraleite e Viva Lácteos), a CNA e a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) tentam negociar o leite brasileiro com a China.

No ano passado, segundo a China Dairy Association, a produção de leite no país foi de 3,9 milhões de toneladas, volume que supre 70% da demanda local.

No ano passado, o Brasil exportou 28,9 milhões de toneladas de leite, conforme dados da Secretaria de Comercio Exterior (Secex). Os principais destinos foram a Argélia, Venezuela, Estados Unidos, Argentina e Uruguai.

A fraca demanda pressionou o valor, que caiu 0,6% no mês e 5,6% em 12 meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER