Produção/AR - Uma indústria de laticínios da Argentina é a primeira do país e da região a obter um selo de bem-estar animal outorgado pelo Instituto Argentino de Normalização e Certificação (IRAM) com as normas ISO. Trata de La Serenísima, da Mastellone Hermanos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
MASTELLONE HNOS. OBTÉM O SELO DE BEM-ESTAR ANIMAL PARA OS SEUS PRODUTOS.

A certificação valida a empresa como participante de uma atividade na qual os animais são tratados com respeito, cuidado e de acordo com as normas éticas e de bem-estar.

“O compromisso animal para nós não é novidade. Sempre La Serenísima, em seus 93 anos de existência, esteve muito perto do produtor incentivando-o a tratar os animais com respeito e dentro de normas éticas e de bem-estar. Entendemos que as vacas bem cuidadas dão um leite melhor, e sobretudo, ampliamos o conceito de qualidade”, explicou Luis Demicheli gerente de Sistemas de Gestão e Sustentabilidade da empresa.

“Em dezembro analisamos o que havia, normativamente, para estabelecer nosso sistema de gestão e encontramos uma especificação técnica do ISO de 2016 e que foi adotada pelo IRAM em 2018, porque foi adaptada à linguagem do país”, disse.

A companhia tomou como referência a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), que considera que um animal se encontra em um estado satisfatório de bem-estar quando está sadio, confortável e bem alimentado, podendo expressar seu comportamento inato e não sente dor, medo ou estresse.

Baseando-se nesses critérios e nas cinco liberdades que guiam o bem-estar animal, que são “livre de fome e sede”, “livre de desconforto físico”, “livre de medo e ansiedade”, “livre de dor e doenças”, e “livre para expressar seu comportamento natural”, elaboraram um protocolo de avaliação e com isso orientaram seus fornecedores.

A rigor, o leite utilizado pela empresa na elaboração de produtos depende de aproximadamente 200.000 vacas adultas e 300.000 animais de outras categorias que se encontram distribuídos em aproximadamente 600 fazendas fornecedoras localizadas em Buenos Aires, Córdoba, Santa Fe, Entre Ríos, La Pampa, San Luis e Río Negro.

Para fazer o acompanhamento, a indústria incorporou uma área responsável e especializada que levou adiante a tarefa de controle. Explicaram que também houve capacitação e jornadas de atualização para produtores em distintos pontos do país.

Houve uma boa receptividade. “Com isto, a indústria está fazendo o que tradicionalmente se conhece como desenvolvimento de fornecedores, incentivando a melhoria da qualidade em geral. A grande vantagem que tem os produtores é que estão recebendo acompanhamento e assessoria sem custos o que reflete em mais animais sadios e maior produção de leite”, explicaram.

Na primeira etapa de implantação, os consumidores já poderão encontrar nas gôndolas produtos com selo de bem-estar animal outorgado pelo IRAM em todos os leites da marca, tanto leites fluidos (fresco e longa vida) como leite em pó. Logo serão acrescentados às categorias de queijos frescos (Cremón, Port Salut e Saint Paulin), cremes, manteigas e demais produtos da companhia.

“Alcançamos um marco, mas temos que dar continuidade, sustentabilidade e melhora contínua. Hoje estamos na etapa de lançamento e na adequação dos produtos e também pensando como realimentar o sistema e como podemos estabelecer uma melhora contínua”, concluiu Demicheli.

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER