“As boas condições no campo e a sua capacidade para sustentar temporariamente o crescimento, estão hoje ameaçadas pela quebra das relações de preço e a macroeconomia,
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Leite/AR – “As boas condições no campo e a sua capacidade para sustentar temporariamente o crescimento, estão hoje ameaçadas pela quebra das relações de preço e a macroeconomia, carregada de fatores negativos (inflação, preços congelados, relação peso/dólar, retenções, Covid, etc).

Cada novo mês os custos de produção sobem no campo mais que o preço do leite”, alertou a Câmara dos Produtores de Leite da Bacia Oeste de Buenos Aires em seu boletim de outubro. “Com muita responsabilidade, ligamos o sinal de alarme para o setor leiteiro, que pode enfrentar, em breve, uma crise inédita, e muito aguda”, se esta tendência de curto prazo se mantiver para o médio prazo.

Com relação aos preços do leite em setembro, a entidade destacou que melhoraram, mas os números “continuam não fechando”.

Este mês na bacia oeste o preço do leite subiu 2,9% pelo litro e 3,6% para os sólidos. Os valores médios foram: Pequeno produtor, AR$ 18,10/litro; Médio produtor, AR$ 18,50/litro; e Grande produtor, AR$ 19,00/litro.

Em dólares, foram US$ 0,23; US$ 0,23,5; e US$ 0,24/litro.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER