O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro, onde se comprometeu com a segurança alimentar sustentável global no contexto do aumento dos preços dos alimentos e do aumento da demanda como resultado do conflito armado que está afetando mais de 850 milhões de pessoas em todo o mundo. Eles também concordaram que “o setor agroalimentar é parte da solução para os desafios da sustentabilidade e não parte do problema”.

A reunião foi realizada na sede da pasta agrícola e contou também com a presença do Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, Paulo Alvim; do Ministro Conselheiro, Mauricio Fávero; e do Embaixador em nosso país, Reinaldo José de Almeira Salgado.

Ali, Julián Domínguez disse que “Argentina e Brasil têm as condições naturais, a estrutura institucional, a tecnologia, os produtores e o conhecimento para dar uma resposta enérgica a um contexto internacional cada vez mais complexo marcado pela guerra”.

“A Argentina e o Brasil respondem por quase 10% das exportações mundiais de alimentos. Temos que trabalhar juntos para nos posicionarmos definitivamente como fornecedores de alimentos de qualidade e produzidos de forma sustentável. O mundo o exige. Nós temos uma oportunidade. Agora é o momento de mostrar todas as coisas boas que estamos produzindo alimentos. E estamos mostrando sinais positivos”, continuou ele.

Na reunião, os ministros destacaram o trabalho que está sendo realizado pelo Mercosul em defesa da sustentabilidade da agroindústria regional e concordaram com a necessidade de padronizar protocolos comuns de certificação para fortalecer o comércio regional.

“Argentina e Brasil têm destinos comuns”, disse o chefe da carteira agrícola nacional.

Também acordaram uma agenda de trabalho para impulsionar o setor agro-industrial em ambos os países, aumentar a produção sustentável e sustentável e a industrialização das áreas rurais.

Neste contexto, o ministro nacional disse que “a Argentina está progredindo em uma inovação institucional para os produtores” e expressou que “a lei de Promoção da Agroindústria está sendo debatida no Congresso nacional, um projeto que nos permitirá construir um sistema de previsibilidade para os produtores, que é o que o setor agrícola precisa”.

Ele também mencionou a importância do “plano para a pecuária argentina que estabelece assistência direta aos produtores com o objetivo de ter mais e melhor carne”. “E estamos trabalhando em uma proposta para as cooperativas de nosso país, em obras de infraestrutura para mitigar os efeitos da mudança climática, em um plano para a região de nossas Terras Baixas Submergionais onde queremos recuperar 1 milhão de hectares para produção. Vamos continuar trabalhando para consolidar o setor como líder mundial na produção agro-bioindustrial”, acrescentou ele.

Por outro lado, Julián Domínguez explicou que “na Argentina iniciamos um processo de boas práticas” e comentou que durante o mês de agosto será realizada uma reunião na província de Córdoba junto com as províncias. “Estamos determinados a avançar na certificação de nosso sistema de produção. Isto nos dará um avanço no fornecimento de respostas para o mundo que virá. Se neste ciclo toda a atenção estiver voltada para o aumento da demanda, avançar com a certificação nos dará a oportunidade de iniciar uma agenda verde que será retomada rapidamente em nível global.

Finalmente, agradeceu-lhe pela “vontade do Brasil de resolver a comercialização da pescada argentina” e concordou em realizar um estudo científico entre os dois países para encontrar uma solução de longo prazo que proporcione previsibilidade para o setor.

A delegação brasileira era composta também pelo Secretário de Defesa Agrícola, José Guilherme Leal; o Secretário de Comércio e Relações Internacionais, Fernando Zelner; a adida agrícola Andrea Parrilla; e o diretor do Departamento de Questões Técnicas, Sanitárias e Fitossanitárias, Cloves Serafini.

Enquanto isso, Julián Domínguez foi acompanhado pelo Secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Matías Lestani; o Secretário de Alimentação, Bioeconomia e Desenvolvimento Regional, Luis Contigiani; o Subsecretário de Coordenação de Políticas, Ariel Martínez; a chefe do Senasa; Diana Guillén; o chefe da INTA, Mariano Garmendia; o adido agrícola no Brasil, Javier Dufourquet; o Diretor Nacional do Mercosul do Ministério das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto, Darío Celaya; e o Diretor Nacional de Relações Internacionais da pasta agrícola, Juan Moreno.

 

Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação

Traduzido com – www.DeepL.com

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER