A quarentena desativou a demanda por todos os produtos lácteos utilizados pela cadeia alimentar. Sem assistência financeira, haverá cortes nos salários de abril para os trabalhadores de laticínios.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

A quarentena desativou a demanda por todos os produtos lácteos utilizados pela cadeia alimentar. Sem assistência financeira, haverá cortes nos salários de abril para os trabalhadores de laticínios.

 

As vendas de leite fluido e iogurte aumentaram no início do confinamento, mas com o passar dos dias, a demanda diminuiu e a queda do mercado gastronômico está complicando bastante as empresas de laticínios.

 

Segundo Pablo Villano, presidente da associação que agrupa pequenas e médias empresas de laticínios (APYMEL), existem 210 empresas que não estão em condições de pagar salários este mês.

 

Essas empresas produzem quase 100% da mussarela e ricota consumidas no mercado interno, 50% do doce de leite e 70% dos queijos em geral, com força no duro e no semi-duro.

 

À queda do mercado interno, deve-se acrescentar que a colocação de produtos fora da Argentina neste momento é insignificante devido ao declínio econômico global que, além do drama da saúde, está causando a pandemia de coronavírus.

 

“O mercado interno está deprimido, mas a perspectiva de exportação também não é boa Estamos caminhando para um mercado mundial muito mais competitivo devido à situação demonstrada pelas economias em geral”, disse Villano.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER