A pandemia de coronavírus mantém os argentinos preocupados.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Desde a chegada da doença, o país está em estado de emergência. No entanto, o impacto também será econômico e as empresas também sentem. O Intransigente conversou com Pablo Villano, presidente da Associação das Pequenas e Médias Empresas de Laticínios (Apymel). O líder forneceu uma visão geral do momento difícil no setor.

“Complicado, como todos os setores, apesar de estar em uma atividade essencial. Reduziu muito o consumo e, por outro lado, há itens especiais que foram afetados muito mais do que outros. Em geral, as MPEs são todas muito complicadas. Em março, os salários foram pagos sem grandes inconvenientes e agora estamos vendo a questão de abril que está se tornando cada vez menos difícil”, disse ele.

Ele então mencionou o pagamento dos salários do mês de abril. “As empresas estão tomando medidas. Alguns, que qualificam que não são todos, os que têm acesso à questão bancária alguns começaram a conseguir gerenciar e tiveram alguns sucessos com o crédito em 24%. Outros estão processando algum tipo de subsídio, mas para isso você tem que verificar se eles foram significativamente afetados pela falta de consumo. E outros tentando negociar e falar com os trabalhadores. A chave aqui é preservar as fontes de trabalho”, disse.

“Estamos em conversa com o Banco Central, para facilitar a cadeia de pagamentos. Essa semana que abriu houve uma abertura com turnos dos bancos e estamos esperando que isso seja corrigido. Eu não tenho o termômetro do que aconteceu, o ritmo bancário que você teve nesses dois dias, talvez na semana com as reuniões que eu faço online eu vou saber. Mas até a semana passada a questão bancária era muito complicada”, disse.

Por fim, Villano também detalhou a perspectiva lamentável sobre as exportações. “Não há nada de bom agora. Essa pandemia pegou todo mundo. O que mais se salva é a África em geral e é a mais empobrecida, tem necessidades, mas eles não compram. E o resto é que vai haver um excedente de leite na América porque o consumo está baixo e vai ser um concorrente nosso. Nova Zelândia e Europa o mesmo, com tudo o que está acontecendo”, encerrou.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER