Entre diversos aspectos negativos, o governo do presidente argentino Maurício Macri entrará para a história pelo descenso ininterrupto no consumo de leite no país.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Entre diversos aspectos negativos, o governo do presidente argentino Maurício Macri entrará para a história pelo descenso ininterrupto no consumo de leite no país. Dados divulgados nesta semana pelo Observatório da Cadela Láctea mostram que a média de litros por habitante chegou ao menor nível desde 2003.

Os números apresentados refletem o aumento da pobreza em diversas camadas sociais do país, restringindo o acesso a itens básicos da alimentação. No primeiro semestre de 2019 a quantidade chegou a 182 litros por pessoa/ano, 13,2% a menos do que no ano anterior e 16,1% inferior do que os dados de 2015.

Entre agosto de 2018 e agosto de 2019, o preço médio dos produtos derivados do leite aumentaram, em média, 93,5%. “Consumimos 35 litros de leite a menos por habitante em relação a 2015”, afirma o presidente do Instituto de Defesa de Usuários e Consumidores, Pedro Bussetti, em entrevista ao jornal Página 12.

“É um consumo que chega a ser inferior ao que vimos em 2001 e 2002, anos de grave crise no país. Se olharmos todo o período macrista, houve uma queda constante em todos os anos”, complementa.

Segundo Bussetti, a administração Macri transformou o consumo de leite em um privilégio, assim como outros produtos e serviços de primeira necessidade. Enquanto o aumento dos produtos lácteos se aproxima dos 100%, a inflação durante a atual gestão chega hoje a 54,5%.

Os preços da indústria caíram 0,85% em outubro frente a setembro, a terceira variação negativa do Índice de Preços ao Produtor (IPP).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER