O anúncio de hoje sobre mudanças na fronteira traz a clareza muito necessária para as muitas empresas leiteiras que estiveram no limbo, procurando desesperadamente trabalhadores internacionais para preencher papéis vagos na fazenda.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O chefe executivo da DairyNZ, Dr Tim Mackle, diz que o setor lácteo não é o único a precisar de mais trabalhadores, e aprecia a permissão do governo para trazer 200 trabalhadores internacionais através de exceções de classe de fronteira em 2021.

Entretanto, o Dr. Mackle diz que sem a capacidade de levar os trabalhadores através da fronteira a exceção de classe não estava atingindo seu objetivo de permitir a entrada de trabalhadores internacionais nas fazendas.

“Temos trabalhado com o Governo, apresentando várias sugestões sobre como nosso setor poderia administrar o equilíbrio entre o risco à saúde e nossas necessidades de mão-de-obra, tais como explorar como funcionaria o isolamento nas fazendas. É gratificante ver que este planejamento valeu a pena hoje”.

Embora as mudanças anunciadas hoje sejam úteis, o Dr. Mackle diz que ainda há trabalho a ser feito para garantir que o setor tenha as pessoas de que precisa para enfrentar uma grave escassez de mão de obra.

“Com um déficit de cerca de 4000-6000 trabalhadores do setor leiteiro, pedimos ao governo que mais 1500 trabalhadores internacionais fossem admitidos na Nova Zelândia em 2022”, acrescenta o Dr. Mackle.

Novos dados mostram que a taxa de desemprego na Nova Zelândia caiu recentemente para 3,2% – a taxa mais baixa em mais de trinta anos.

“Sem pessoal suficiente, o bem-estar animal está em risco, o progresso ambiental é limitado e os altos níveis de estresse afetam a saúde e a segurança das pessoas, e o prazer do trabalho”.

As mudanças anunciadas hoje permitirão que cerca de 200 trabalhadores internacionais que são elegíveis para um visto de exceção na classe leiteira entrem na Nova Zelândia em meados de março (depois que seus vistos forem aprovados) e entrem em isolamento na fazenda.

Os portadores de vistos de exceção para a classe leiteira têm que ser totalmente vacinados para entrar na Nova Zelândia.

O Dr. Mackle diz que também é agradável ver que o governo estará considerando permitir que trabalhadores mais críticos entrem na Nova Zelândia sob exceções de classe em abril, ao lado de alguns trabalhadores internacionais da indústria de laticínios que possuem um visto atual.

Ele diz que ter um novo caminho para alguns trabalhadores internacionais do setor leiteiro que ganham acima de 1,5 vezes o salário médio para entrar na Nova Zelândia a partir de meados de março também é positivo. Normalmente estas pessoas já trabalharam em fazendas de laticínios da Nova Zelândia anteriormente e sua contribuição será reconhecida através deste caminho.

O setor leiteiro também lançou recentemente uma nova campanha “Junte-se a nós” com o objetivo de conectar os produtores de leite com os neozelandeses e convidar os Kiwis a se juntarem a um trabalho leiteiro – veja www.godairy.co.nz para mais detalhes.

Desestimulados com o mercado leiteiro em Goiás, produtores abandonam a produção e preço do leite dispara.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER