Gustavo Augel é produtor de lacticínios em Lobos, Buenos Aires, e coordenador da comissão leiteira da Carbap desde Outubro passado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A sua família está lá desde 1998, numa quinta de 250 hectares. A sua exploração é uma das 75% das chamadas “pequenas explorações leiteiras”, que são “as que subsistem”, produzindo cerca de 2.500 litros por dia.

“Fazemos parte daqueles que têm o dilema diário de vender vacas a outra grande leiteria, de cultivar soja ou de lutar um pouco mais para ver até onde podemos ir. No meu caso estou a tentar diversificar: tenho uma pequena quinta, mas esta direcção (para outras actividades) será boa para a quinta, porque atirar todos os dardos à queijaria não me dá bons resultados”, explicou Augel.

Para diversificar, Augel decidiu cultivar 40/50 hectares para fins comerciais. Ou seja, para vender os grãos e não para os utilizar como reserva alimentar para as vacas. Para fertilizar estas parcelas, começou também a produzir um fertilizante líquido com o efluente dos seus próprios lacticínios.

“É uma actividade que iniciámos este ano. Recolhemos todo o estrume deixado pelas vacas durante a ordenha, processamo-lo e geramos um fertilizante líquido” que é parcialmente utilizado na própria exploração agrícola e parcialmente vendido à Fundação para o Desenvolvimento da Investigação Científica e Tecnológica em Defesa Ambiental, que por sua vez o comercializa como CH4 Biol.

Augel explicou o processo: “Todos os dias, quando entra na vaca leiteira e enquanto espera para ser ordenhada, a vaca defeca. Esta é recolhida com um carregador de pás, que a deposita em tubos de plástico de 1000 litros com água e bactérias vivas que realizam o processo. Leva um período de 90 dias e depois disso podem ser colhidos 15/16 litros por dia. Depois adiciona-se mais 15/16 litros de estrume e mantém-se a mesma quantidade.

A colheita é feita de três em três dias. No total, são produzidos 500 litros de fertilizante por caixa (balde de 1.000 litros) por mês. Por cada litro é pago 130 pesos, sem contar o benefício que recebe por fertilizar o campo com um produto biológico e assim evitar a compra de fertilizantes, que este ano saltaram significativamente.

O produtor – agora um líder – referiu-se também às perspectivas da actividade. “As grandes explorações leiteiras têm cada vez mais vacas, as pequenas estão a crescer, mas estão a crescer para chutar a bola para a frente e, em muitos casos, estão a tentar diversificar. Não vejo uma forma de os produtores dizerem “vamos apostar e comprar vacas”, disse ele.

Depois perguntámos-lhe porque se envolveu na actividade sindical se o futuro não é tentador para esta actividade: “Trabalhei muito dentro da quinta e um dia disse que se quiséssemos obter a fábrica de lacticínios de onde ela está, teria de me envolver mais. Como coordenador (em Carbap), temos uma grande tarefa”.

Augel disse que espera “trazer os produtores para a mesa leiteira Carbap para conhecerem os seus problemas” e disse que “em 2022 queremos trabalhar com os athenaeums para envolver os muitos jovens que são formados”. Como terceira medida, pretende realizar uma reunião em cada conta leiteira da província, para além da reunião mensal realizada no Carbap.

O cultivo de milho possui o maior número de produtores atingidos, são quase 93 mil produtores com perdas na sua produção.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER