Bebidas vegetarianas têm um faturamento de 431,1 milhões de euros na Espanha Grandes empresas procuram acelerar a transformação em direção a um modelo flexitário Bebidas vegetarianas lideram o segmento de alternativas veganas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Capsa Food (Central Lechera Asturiana), Danone e Pascual, três gigantes do setor lácteo, estão apostando na linha de negócios de bebidas vegetais com diferentes alianças e projetos de P&D para se fortalecerem em um negócio com um faturamento de 431,1 milhões de euros na Espanha.

Numa época em que tanto se fala da qualidade da carne proveniente de macrofazendas, do bem-estar animal e da conveniência de restringir o consumo de produtos de carne, o último relatório da empresa de consultoria Lanternas sobre o consumo vegetariano na Espanha lembra que dos 431,1 milhões de euros entregues por alternativas vegetais na Espanha em 2020, nada menos que 298,6 milhões correspondiam a bebidas vegetais, por exemplo, à base de soja, aveia ou amêndoas.

Estes números levaram três grandes empresas alimentícias: Capsa Food, Danone e Pascual a reavivar o negócio de bebidas à base de plantas. A Capsa Food, proprietária de marcas leiteiras como Central Lechera Asturiana, Larsa e Ato, acaba de formar uma aliança com a Liquats Vegetals, empresa de bebidas vegetais que administra as marcas Yosoy, Almedrola e Monsoy, para realizar um projeto multi-categoria que reforça o compromisso de ambas as empresas com alimentos “vegetais, honestos e sustentáveis”, capazes de responder às novas tendências do mercado. Esta aliança resultará no desenvolvimento de produtos vegetais locais de zero quilômetro ou produtos vegetais locais.

Laura Erra, gerente geral da Liquats Vegetals, ressalta que “este acordo nos permitirá fortalecer o valor do rótulo de alimentos mais saudáveis em nossos padrões de vida e na liderança e desenvolvimento de categorias baseadas em plantas na Espanha”.

Por sua vez, José Armando Tellado, gerente geral da Capsa Food, indica que “este acordo reforça o compromisso das duas empresas de liderar a alimentação do futuro: saudável, natural e sustentável”.

Tanto a Capsa Food, devido a sua origem corporativa, quanto a Liquats Vegetals, uma empresa familiar, continuam a apoiar seus territórios de origem e a produzir localmente, o que garante a sustentabilidade das economias locais, bem como o tecido social em favor de uma economia inclusiva e sustentável.

Há dois anos, a Capsa Food criou a Capsa Vida, uma iniciativa através da qual ela financia a criação de empresas com projetos de alimentos sustentáveis e saudáveis.
Outro fato a ter em mente, enfatiza Capsa Food, “é a existência de um alto grau de complementaridade no consumo dos produtos oferecidos por ambas as empresas, já que nove em cada dez consumidores de alternativas vegetais também incorporam produtos lácteos em sua dieta”.

Há dois anos, a Capsa Food criou a Capsa Vida, uma iniciativa através da qual ela financia a criação de empresas com projetos de alimentos sustentáveis e saudáveis. Até agora, foram investidos mais de um milhão de euros no desenvolvimento de idéias destinadas a fortalecer a atividade nas áreas rurais e no campo da saúde com o objetivo de gerar um impacto positivo na sociedade.

Com o objetivo de possibilitar a autonomia dos aceleradores foodtech ou empresas dedicadas à inovação no setor alimentício, a faixa de participação da Capsa Vida varia entre 5% e 25% através da contribuição de capital e conhecimento para promover a colaboração técnica com os investidos.

Daniel Ordóñez: “Nos últimos anos, a categoria baseada na planta em nosso país cresceu mais de 10%”.

Por sua vez, a multinacional francesa Danone, que tem os produtos lácteos como uma de suas linhas de negócios, tem distribuído diretamente bebidas vegetais sob a marca belga Alpro para o mercado espanhol desde fevereiro, acelerando assim sua transição para uma dieta com menos proteína animal. Assim, reforça sua liderança no setor de alternativas vegetais, onde já está presente com marcas como a Savia em iogurtes e sorvetes.

Daniel Ordóñez, CEO da Danone Iberia, ressalta que “nosso objetivo é acelerar a transformação em direção a um modelo alimentar flexível, sustentável e local”. A Central Lechera Asturiana era até agora a distribuidora da Alpro na Espanha.

Ordóñez justifica o passo dado por sua empresa dizendo que “nos últimos anos, a categoria vegetal em nosso país cresceu mais de 10%, e 98% dos consumidores dessas opções as combinam com leite e iogurte de origem animal”. O flexitarismo – consumo ocasional de carne – é uma realidade e Alpro reflete nosso compromisso de responder a uma tendência crescente. Procuraremos melhorar ainda mais este fenômeno e, portanto, seu crescimento.

A Alpro faz parte da Danone desde 2016, quando a empresa adquiriu a WhiteWaveFoods, líder em produtos vegetais e orgânicos no mercado americano. A Danone é a líder mundial na categoria de alternativas baseadas em plantas com um faturamento de 2 bilhões de euros, mais da metade do qual vem da Alpro.

0 Kilômetro’ de soja

Outra empresa líder no mercado espanhol de laticínios, Pascual, comercializa bebidas à base de soja, nozes, aveia e amêndoas vegetais sob a marca Vivesoy em versões sem açúcar ou sem adição de açúcar. Há alguns meses, Pascual obteve o selo Aenor que certifica a origem espanhola de sua matéria-prima após ter obtido o cultivo na Espanha de todas as variedades utilizadas para a fabricação do Vivesoy.

Quando a empresa lançou seus primeiros produtos no mercado há 20 anos, teve que importar toda a soja que utilizava, pois é uma leguminosa que até então era produzida quase exclusivamente na Ásia e América e comprada na Argentina e no Brasil.

Agora, ao contrário, Pascual tem 2.000 hectares na Espanha e contratos de longo prazo assinados antes da semeadura com 136 agricultores para a produção de soja em Castela e Leão, Extremadura, Navarra, Aragão e no País Basco. Para Javier Peña, Diretor do Negócio de Laticínios e Bebidas Vegetais da Pascual, “este certificado demonstra a preocupação da Pascual com a sustentabilidade de nossos produtos, pois promovemos o fornecimento e a produção nacional, estamos comprometidos com o desenvolvimento de nosso ambiente rural, apoiando a Espanha despovoada e reduzindo nosso impacto ambiental, garantindo a melhor qualidade e sabor em nossos produtos”.

A empresa começou a desenvolver o cultivo de soja na Espanha, que havia sido extinta, em 2005. Para obter e manter seu selo, a Pascual teve que cumprir a norma desenvolvida pela Aenor, com auditorias anuais de todas as suas plantas, assim como de seus fornecedores, “o que garante que cada litro de nossas bebidas vegetais seja cultivado na Espanha, proporcionando uma garantia adicional”, salienta Peña.

 

Traduzido com DeepL

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER