O casal José Edson de Almeida e Maria Aparecida de Almeida, junto com o genro, Ivomar Luiz Faria, conquistaram excelentes resultados no Sítio Alegria, em Cachoeira de Minas
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Balde Cheio – O casal José Edson de Almeida e Maria Aparecida de Almeida, junto com o genro, Ivomar Luiz Faria, conquistaram excelentes resultados no Sítio Alegria, em Cachoeira de Minas, depois dos atendimentos do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) Balde Cheio, promovido pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES.

Os animais tiveram um ganho na produtividade de 142% e os produtores aumentaram a eficiência na reprodução e no gasto com concentrado.

Em 2016, Ivomar decidiu largar o seu trabalho na cidade, na área de logística, para seguir com as atividades do campo junto com os sogros. A família divide as tarefas no sítio. Ivomar e Maria Aparecida são os responsáveis pela ordenha das vacas, e José Edson está à frente do gerenciamento da propriedade.

O técnico de campo André Coelho Naves, que é médico veterinário, explicou que, no início do programa, a ordenha era feita manualmente e, com as orientações, os produtores implantaram o sistema de ordenha balde ao pé. Hoje, os pecuaristas contam com duas ordenhas na propriedade. Com isso, eles melhoraram a CPP (Contagem Padrão em Placas), que já chegou a 5, e a CCS (Contagem de Células Somáticas) está em 300. Eles também aplicaram uma nova dieta para os animais, melhorando o arraçoamento, de acordo com a produtividade de cada um, o que contribuiu para o aumento na produção de leite. Além do novo manejo adotado, os produtores também melhoraram a genética dos animais.

“Eu me tornei um grande amigo da família. Acompanhei o nascimento da segunda filha do Ivomar, neta do José Edson. Na despedida, eles disseram que agora pertenço à família. O segredo do sucesso foi a confiança e a dedicação dos produtores, que seguiram todas as recomendações. Foi uma parceria de sucesso”, destacou o técnico.

Resultados

Em 2019, a receita média com o leite era de R$3.374 por mês. Em 2021, passou para R$19.500, um aumento de 477,9%.

A produção mensal de leite era de 2.596 litros. Após os dois anos de ATeG Balde Cheio, a produção passou para 10.440 litros por mês, com mais nove vacas em lactação, totalizando 21 animais. A produção diária de leite, por vaca, passou de sete litros para 17 litros.

Na reprodução, a família contava com 60% de vacas em lactação em relação ao total de vacas, e, hoje, são 71%.

Os produtores comprometiam cerca de 38% da renda bruta com concentrado e, atualmente, eles utilizam 30%.

“O Sistema FAEMG/SENAR/INAES contribuiu muito para a qualidade de vida da família. Os resultados foram muito positivos. No início, foi um desafio para o Ivomar, que precisou abandonar o seu trabalho na cidade e ter rentabilidade com a atividade do campo. Hoje, ele conseguiu mudar a história da família. Os produtores estão mais animados para seguir com as atividades. O sucesso foi de todos, trabalhamos unidos. Agradeço muito ao José Edson pela dedicação”, completou o técnico.

Acesse aqui a matéria na íntegra

No total, 57 prêmios vieram para o Brasil; produção do queijo mineiro já é reconhecido como patrimônio cultural imaterial.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER