O casal José Edson de Almeida e Maria Aparecida de Almeida, junto com o genro, Ivomar Luiz Faria, conquistaram excelentes resultados no Sítio Alegria, em Cachoeira de Minas
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Balde Cheio – O casal José Edson de Almeida e Maria Aparecida de Almeida, junto com o genro, Ivomar Luiz Faria, conquistaram excelentes resultados no Sítio Alegria, em Cachoeira de Minas, depois dos atendimentos do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) Balde Cheio, promovido pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES.

Os animais tiveram um ganho na produtividade de 142% e os produtores aumentaram a eficiência na reprodução e no gasto com concentrado.

Em 2016, Ivomar decidiu largar o seu trabalho na cidade, na área de logística, para seguir com as atividades do campo junto com os sogros. A família divide as tarefas no sítio. Ivomar e Maria Aparecida são os responsáveis pela ordenha das vacas, e José Edson está à frente do gerenciamento da propriedade.

O técnico de campo André Coelho Naves, que é médico veterinário, explicou que, no início do programa, a ordenha era feita manualmente e, com as orientações, os produtores implantaram o sistema de ordenha balde ao pé. Hoje, os pecuaristas contam com duas ordenhas na propriedade. Com isso, eles melhoraram a CPP (Contagem Padrão em Placas), que já chegou a 5, e a CCS (Contagem de Células Somáticas) está em 300. Eles também aplicaram uma nova dieta para os animais, melhorando o arraçoamento, de acordo com a produtividade de cada um, o que contribuiu para o aumento na produção de leite. Além do novo manejo adotado, os produtores também melhoraram a genética dos animais.

“Eu me tornei um grande amigo da família. Acompanhei o nascimento da segunda filha do Ivomar, neta do José Edson. Na despedida, eles disseram que agora pertenço à família. O segredo do sucesso foi a confiança e a dedicação dos produtores, que seguiram todas as recomendações. Foi uma parceria de sucesso”, destacou o técnico.

Resultados

Em 2019, a receita média com o leite era de R$3.374 por mês. Em 2021, passou para R$19.500, um aumento de 477,9%.

A produção mensal de leite era de 2.596 litros. Após os dois anos de ATeG Balde Cheio, a produção passou para 10.440 litros por mês, com mais nove vacas em lactação, totalizando 21 animais. A produção diária de leite, por vaca, passou de sete litros para 17 litros.

Na reprodução, a família contava com 60% de vacas em lactação em relação ao total de vacas, e, hoje, são 71%.

Os produtores comprometiam cerca de 38% da renda bruta com concentrado e, atualmente, eles utilizam 30%.

“O Sistema FAEMG/SENAR/INAES contribuiu muito para a qualidade de vida da família. Os resultados foram muito positivos. No início, foi um desafio para o Ivomar, que precisou abandonar o seu trabalho na cidade e ter rentabilidade com a atividade do campo. Hoje, ele conseguiu mudar a história da família. Os produtores estão mais animados para seguir com as atividades. O sucesso foi de todos, trabalhamos unidos. Agradeço muito ao José Edson pela dedicação”, completou o técnico.

Acesse aqui a matéria na íntegra

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER